20 Raças de cães com mordidas mais fortes

Um dos fatores para medir a força de um cão é sua força de mordida. Mas, temos como saber quais raças de cachorro tem a mordida mais forte? Sim, sabemos. E essa força pode ser medida cientificamente. A força da mordida de qualquer animal é medida em libras por polegada quadrada (psi). Essa unidade de pressão informa quanta força é exercida em uma polegada quadrada de espaço. O psi que as mandíbulas dos animais irão exercer geralmente é calculado por média.

A pressão pode ser diferente dependendo da superfície sendo mordida, do humor do cão e até mesmo das condições físicas do próprio cachorro. Apenas para uma comparação de referência, os humanos têm uma força de mordida média de 120-140 psi, e o Crocodilo do Nilo 5.000 psi. No caso dos cachorros, a força de mordida média varia entre 230 e 250 psi, mas algumas raças têm mordida muito mais forte, como veremos adiante.

Comparação entre a força da mordida do Crocodilo do Nilo e do ser humano
Força de mordida: O crocodilo do Nilo é o animal com mordida mais forte do mundo!

Agora vamos nos concentrar nos cachorros. Mesmo que não há mordida mais forte que a do crocodilo do Nilo, a força da mordida de um cachorro forte não só rasga a carne, mas também pode quebrar ossos. Abaixo, listamos os cães que têm conseguem fazer exatamente isso. Se você está pensando em possuir uma dessas raças de cães fortes, é fundamental que você o leve a um treinador de cães profissional para garantir que seu cão esteja sob seu domínio e não ofereça qualquer agressão.


[ Veja também: 6 Dicas para você se tornar um Dog Walker ]


A maioria das raças nesta lista são de cachorros considerados agressivos. São justamente animais que geralmente têm a força de mordida medida. Importante lembrar que, qualquer cão pode se tornar agressivo se for negligenciado e abusado.

Mitos sobre a força da mordida de cachorro e a verdade científica

Há muita desinformação sobre a força da mordida de cachorros por aí. Alguns artigos dizem que certas raças de cães têm força de mordida de 2.000 libras. Essa força de mordida é comparável a de um hipopótamo adulto. Obviamente, está errado.

Os únicos dois estudos que medem forças de mordida de cães são de Ellis et al. e Lindner et al.

Os resultados do estudo foram relatados em Newtons, com alguns dos números mais altos chegando a 2.000 Newtons. A partir daqui, muitos sites pegaram o número e interpretaram incorretamente como psi, que na verdade é cerca de 450 libras por polegada quadrada e não 2.000 psi.

Pastor Alemão morde braço de treinador
Cães podem chegar a ter força de 450psi na mordida.

Por que algumas raças de cães têm maior força de mordida do que outras?

A maior parte da força da mordida dos cães depende do tamanho de seu corpo e crânio e do formato de sua mandíbula. Cachorros com cabeças maiores e, consequentemente, mandíbulas maiores, exibiram mais força de mordida. Isso explica por que os Mastiffs são cães com as mais fortes mordidas entre as raças verificadas.

Mas vamos lá, sem mais enrolar. Aqui estão os cães com as mordidas mais fortes do mundo. Para que você saiba, todos eles terão mais força na mordida que você. Toda mordida de cachorro é perigosa, mas pode ser especialmente brutal se puderem condicionar toda a sua força.

20 cães com a força de mordida mais forte


Raças de Mastins (Mastiff)


Kangal – 743 psi

Cachorro da raça Kangal
Raça Kangal: a mordida mais forte entre os cães. São incríveis 743psi de força.
Comparando cachorro Kangal adulto com um homem
O Kangal é gigante!

Exibido acima e comparado com um homem aqui ao lado, esta raça grande e poderosa é usada na Turquia para proteção contra predadores naturais de rebanhos. Apresentando a maior força de mordida entre cães domesticados, muito provavelmente vão fazer guarda com sucesso. Já com o tutor e sua família, os cães dessa raça são amigáveis e dóceis. Eles serão bons com as crianças. 🙂

Bem cuidados e saudáveis, os Kangals vivem em média mais de 15 anos. Eles são excelentes cães de guarda.

Os Kangals são alertas, territoriais e defensivos. Precisam, no entanto, de treinamento social e de “liderança de matilha” para servirem de companhia diária. Se você desejar ter um cachorro com o Kangal, saiba que ele deve ser o único animal da casa.


Cane Corso – 700 psi

Cachorro da raça Cane Corso. Pelagem curta e preta.
Raça Cane Corso: são 700psi de força na mordida.
Cane Corso abraçando mulher
O Cane Corso é outro gigante!

Este cão de guarda é originário da Itália. Como a maioria das variações de “Mastiff”, o Cane Corso foi um cachorro usado em guerra. Os indivíduos dessa raça têm pelo curto com baixa perda – então mínima necessidade de escovação, o que os torna mais fáceis de manter.

Eles também são muito fortes, resistentes e saudáveis. São inteligentes e ativos, o que promove facilidade para treinamento. A maioria dos Cane Corso são silenciosos e calmos.

Como outros cães de guarda, ele geralmente não é afeito a ter “irmãos”. Não costuma gostar e lidar bem com outros cães ou gatos. Geralmente se dão bem com as crianças da casa, mas precisarão também de treinamento de socialização desde muito cedo para oferecerem segurança às pessoas da família.


Dogue de Bordeaux – 556 psi

Cachorro da raça Dogue de Bordeaux.
Raça Dogue de Bordeaux: são 556psi de mordida.

O Dogue de Bordeaux é o gigante babão do filme “Uma Dupla Perfeita”. Os indivíduos dessa raça são afetuosos com os membros de sua família. Um pouco preguiçosos, esses cachorros não precisam de muitos exercícios (ufa!).

Ao contrário de alguns outros cães Mastiffs, o Dogue de Bordeaux é excelente com crianças e também com outros animais – um verdadeiro gigante gentil.

Eu falei que ele baba né? E muito! Embora sejam muito amigáveis com os membros da família, eles desconfiam de estranhos. Por isso é importante mante-los seguros cercados. Vai ser também preciso um treinamento de socialização. Os cães da raça Dogue de Bordeaux podem engordar facilmente, então fique atento à dieta.

Jogador argentino Messi com seu Dogue de Bordeaux
E você achava que a Dupla Perfeita era Messi e Neymar né?

Mastiff Inglês – 552 psi

Cachorro da raça Mastiff Inglês
O Mastiff Inglês tem 552psi de força de mordida.

Outro bobão gentil, esses bebês gigantes são muito elogiados por seus donos. Os Mastiffs (ou Mastim) Ingleses são afetuosos e se dão muito bem em famílias com crianças. Eles são excelentes cães de guardas, mas apenas se treinados para isso. Cheios de energia, esses grandões precisam de exercícios diários. Por isso são cães perfeitos para famílias que gostam de se movimentar ou que tenham quintal grande.

Todos os Mastiffs são independentes e obstinados. Eles precisam de um treinador bom, dedicado e com paciência a investir tempo para treinamento de “pastoreio”. Como cães de outras raças, o Mastim Inglês pode se tornar destrutivo quando deixado sozinho por muito tempo.

[Veja também: Como Combater a Ansiedade nos Cães ]

Os Mastins Ingleses tem mordida forte, mas são fofos e brincalhões. Ótimos parceiros para quem tem crianças.

Dogo Canario – 540 psi

Cachorro da raça Dogo Canario
A mordida do Dogo Canario pode chegar a 540psi
Adorável gigante!

Também conhecido como Perro de Presa Canario, este é um antigo cão de guerra conhecido por sua agressividade. Corajosos e leais, os cães desta raça são excelentes cães de guarda. Ótimos para a famílias ativas, esses cães precisam de muito exercícios, um grande quintal e também bastante estimulação mental. Se adotados desde filhotes, os Dogo Canarios são amigáveis com crianças e outros animais de estimação.

Só que esta raça precisa de um treinador experiente. Para ter sucesso no relacionamento com cães fortes como este, o dono precisa de tempo e experiência para socializar e treinar este animal adequadamente.


Dogo Argentino – 500 psi

Cachorro da raça Dogo Argentino
O Dogo Argentino apresenta 500psi de mordida.

Uma raça feita para ser um grande caçador, o Dogo Argentino possui ótimos reflexos e força corporal. São cachorros com baixa perda de pelos, o que os tornam cães fáceis para se tratar e manter. Ativos e amigáveis, esses cachorros são ótimos para a casa de uma família numerosa. Apenas precisam se adaptar com tempo, para se tornarem excelentes cães de estimação.

O Dogo Argentino é forte e independente, então desde bebê é aconselhado que tenham um treinador forte e experiente. O treinamento de socialização e obediência deve começar em uma idade jovem e permanecer consistente ao longo do tempo. Esta é mais uma raça que deve ter treinamento de “líder de matilha” (pack leader).


Bulldog Americano – 305 psi

O Bulldog Americano tem mordida de 305psi de força.

Frequentemente confundido com o Pitbull, o Bulldog Americano tem características próprias. São cães gentis e afetuosos e se dão bem em casas com crianças. Esses cachorros são muito sensíveis e demandam muito tempo (de qualidade) com seus familiares. Seu pelo curto é fácil de manter.

[ Veja também: Comprar ou não FURminator? O que diz quem usa ]

Os cães dessa raça são conhecidos por babar um pouco. Apresentam temperamento forte e por isso, precisam de treinamento consistente desde muito cedo, ainda na fase de filhote. Os cachorros da raça Bulldog Americano também precisam de muito exercício e tempo para brincar. Se entediados, podem se tornar destrutivos.


Pitbull – 235 psi

Esbelto e musculoso. Esse cachorro é exemplar da raça Pitbull
O Pitbull apresenta em média 235psi de força de mordida.

Essa é, talvez, uma das mais famosas raças do mundo. Todo mundo já ouviu alguma vez o nome da raça Pitbull e, na maioria das vezes, não tem as melhores impressões. Esta é uma das raças mais odiadas nos Estados Unidos. No entanto, o Pitbull é um cachorro inteligente, leal e fáceis de treinar.

Com pelo curto, o Pitbull não exige muito da rasqueadeira. Conhecidos como “cães babás”, os filhotes da raça adoram crianças, pois são brincalhões e protetores.

O Pitbull foi recentemente criado como cão de luta. Se você deseja ter um Pitbull, certifique-se da responsabilidade do criador de origem. Como outras raças de cachorros fortes, você precisará começar cedo com o treinamento de socialização e obediência para obter melhores resultados.


Alano Español – 227 psi

Cachorro da raça Alano Espanhol
A raça Alano Espanhol tem 227psi de força de mordida

Esses cães grandes são descendentes dos cachorros utilizados no sangrento eporte “bull-baiting” na Espanha. Antes disso, eram cães de guerra no Oriente Médio. Com perfil sério e calmos, esses cachorros não são de ficar latindo a toda hora.

Embora gostem de ser “chefes”, eles também podem ser submissos ao dono. Os cães da raça são ativos e se dão melhor com um dono envolvido e comprometido.

Desconfiado com estranhos, cães da raça Alano Espanhol precisam de intenso treinamento de “líder de matilha” (pack leader) para não se tornar perigoso. Esses cães são famosos por serem difíceis de dominar.


Bulldog Inglês – 210 psi

Cachorro da raça Bulldog Inglês
Cães da raça Bulldog Inglês tem 210psi de força de mordida

Esses gordinhos grandes e robustos não querem nada mais do que ficar abraçado no seu colo. São amáveis e amigáveis e, por isso, se dão muito bem com crianças e outros pets. Os Bulldogs Ingleses não são tão carentes, eles se dão muito bem em ficar algum tempo sozinhos. Por não serem muito ativos, os cães dessa raça não precisam de muitos exercícios.

Outra característica dos Bulldogs Ingleses é que são muito teimosos. Embora não sejam conhecidos por serem agressivos, ainda é muito importante que tenham um intenso treinamento, justamente porque têm o desejo natural de fazer as coisas de seu jeito.

O Bulldog Inglês precisa de ambiente com clima ameno. Eles não se dão bem em lugares muito quentes ou muito frios.


Raças de Pastoreio


Pastor Alemão – 238 psi

Cachorro da raça Pastor Alemão
O Pastor Alemão pode produzir 238psi de força de mordida.

Cães perfeitos para pastoreio, os Pastores Alemães são também muito utilizados como policiais (K9), cães-guia e cães de guarda em fazendas. Eles são indiferentes com estranhos e não se distraem facilmente. São cães enérgicos e sempre prontos para brincar, mas também apresentam comportamento calmo e contido. Inteligentes e sensíveis às necessidades de seus donos, o Pastor Alemão é fácil de treinar.

Já quanto a perder pelo, eles são mestres. Melhor nem ter carpete em casa! Os cachorros dessa raça geralmente não gostam de outros cães. É preciso oferecer brinquedos para roer, porque esses carinhas adoram mastigar.


Pastor Holandês – 224 psi

O Pastor Holandês tem mordida de 224psi de força.

Como outros cães pastores, os Holandeses tentam “pastorear” tudo – animais, crianças, carros, o que for. O Pastor Holandês é inteligente e muito ativo. Eles vão viver felizes em uma família ativa que lhes ensine truques, lhes dá “trabalho”. Essa raça alerta, atlética e não muito conhecida, é capaz de fazer tudo que o famoso Pastor Alemão faz.

Esses cães geralmente não são tão amigáveis com crianças ou outros pets. O treinamento para ensinar que TODOS os humanos são líderes de matilha deve ser realizado. Esses cachorros são independentes e obstinados, então precisam de um treino forte, persistente e consistente.


Pastor-Belga-Malinois – 195 psi

Cachorro da raça Pastor-Belga-Malinois
O Pastor-Belga-Malinois tem 195psi de força na mordida.

Também conhecido como apenas Pastor Belga, o Malinois é inteligente, confiante e muito ativo. Esta raça de pastoreio é resistente e adequada a todos os tipos de climas, tanto frios quanto quentes. O Pastor Belga é fácil de cuidar, pois perdem muito pouco pelo e não costumam babar.

São cachorros naturalmente muito saudáveis. Foram criados para o ar livre e vivem melhor em grandes espaços. Embora o Pastor Belga seja feito para o ar livre, eles são excelente cães de companhia se tiverem treinamento adequado de socialização.

Sem o treinamento, é possível que se tornem destrutivos e agressivos.

[ Veja também: Como treinar seu cão utilizando sinais manuais ]


Misc. Raças de cães com a força de mordida mais forte


Bandog – 730 psi

Ca
Cães “Bandog” são raças mestiças muito poderosas que historicamente foram utilizados para caça de javalis e até ursos. A força de sua mordida é impressionante, chegando a 730psi.

O exemplar de Bandog, exibido acima, é resultado de variadas misturas em sua ancestralidade. Criadores de cachorros origem “Mastiff” cruzaram com cães de raças “Bull Dog”. Esta raça ainda é criada principalmente para servirem como cães de guarda. E para isso são destaque. Corajosos e fortes, esses cães darão suas vidas por suas missões. Esses gigantes impressionantes têm pelagens curtas e de fácil cuidado.

Cachorro Bandog atacando javali
Cão da raça Bandog ataca javali.

Como têm características naturais de cães de guerra, pode ser muito agressivos e perigosos. Para não oferecerem risco aos humanos, precisam de intenso treinamento para líderes de matilha (pack leader), que os submete a obedecerem comandos. São naturalmente agressivos com estranhos, por isso a grande necessidade de treinamento de socialização desde filhote.


Leonberger – 399 psi

Menina e cachorro da raça Leonberger
Cães da raça Leonberger possuem força de 399psi de mordida.

Essa é uma raça criada a partir de várias outras, incluindo São Bernardo, um cachorro de grande porte mais popular. Carinhoso e brincalhão, este grandão é ótimo com crianças. Os cachorros da raça são muito ativos e gostam de fazer parte da família, apreciam atividades junto de “seus humanos”. Leonbergers são cheios de energia e curiosos.

Os filhotes adoram mastigar e latir e precisarão de treinamento para conter esses ímpetos. Embora amem crianças, eles são enormes e podem facilmente machuca-las. Por isso é fundamental que tenham treinamentos desde muito pequenos para saberem lidar com seus filhos desde pequenos.


Doberman – 228 psi

Cachorro da raça Doberman
Os Dobermans tem mordida estimada em 228psi de força.
Policial Ed e seu parceiro Doberman Duke

Esses cães são lindos, elegantes e chegam a figurar como grande porte. O Doberman é corajoso, leal e muito afetuoso com sua família. Um excelente cão de guarda. São em geral inteligentes e sensíveis a treinamentos. Por isso estão entre as raças utilizadas pela polícia americana. De qualquer forma, são cães que precisam de treinamento “líder de matilha” (pack leader) para manter obediência. Mas aprendem rapidamente.

Cheios de muita energia, atléticos e brincalhões, os Dobermans exigem programas regulares de exercícios. Do contrário podem se tornar destrutivos e agressivos quando entediados. O Doberman pode ser um cachorro amigável a crianças caso seja criado desde cedo para tal, mas sua natureza é de “poucos amigos”.


Chow Chow – 220 psi

Cachorro Chow Chow deitado em cadeira.
O Chow Chow tem mordida de 220psi de força.

Essa realeza toda vem da reminiscência de um leão. Sua personalidade é definida como mais “felina” do que “canina”. O Chow Chow não tem muita energia, então precisa de um pouco de exercício. Essa é uma raça que não tá muito aí para seus donos. São independentes e não precisam muito de companhia humana. São pets ótimos para proprietários adultos calmos.

O Chow Chow é independente e temperamental, o que os torna mais difíceis de serem treinados. Os cães desta raça são também muito agressivos e nem sempre se dão bem com pessoas e animais ao seu redor.


Rottweiler – 328 psi

Cachorro da raça Rottweiler
O Rottweiler tem mordida de 328psi de força.

O Rottweiler é calmo e corajoso. Podem chegar a 60 quilos! …possivelmente até mais. Os cães desta raça não são empolgados ou carentes. São atenciosos e inteligentes e ótimos cães de trabalho. O Rottweiler é muito amigável e sociável mas precisa de companhia e atividade.

O treinamento deve começar o mais cedo possível na vida do cachorro, enquanto eles ainda são pequenos o suficiente para aprenderem com consistência. Rottweilers são recomendados para proprietários experientes devido ao seu tamanho. Geralmente não gostam de outros animais por perto.


Tosa Inu – 556 psi

Cachorro da raça Tosa Inu
O Tosa Inu é um gigante de mordida forte: são 556psi de força

Esse é um cachorro do tipo mastim (Mastiff), originário do Japão esta é uma raça que se acredita ter Mastiff, Dogue Alemão e Bulldog em sua ancestralidade. São cães grandes, mas fáceis de lidar. Confiante e de aparência intimidante, o Tosa Inu é um ótimo cão de guarda. Com treinamento adequado, esses cachorros podem ser dóceis e adequados a família.

Se não forem socializados adequadamente, esses cães podem se tornar agressivos. Os Tosa Inu precisam de espaço. Ocupam muita área, comem muito. Desde filhote precisam ser treinados para respeitar pessoas e coisas, já que facilmente podem quebrar tudo.


Boxer – 230 psi

Cachorro da raça Boxer
O Boxer tem 230psi de força de mordida. Praticamente o dobro do ser humano.

Esta raça tem postura imponente, que curiosamente não combina com sua personalidade. Em geral, o Boxer é um doce, não machuca nem uma mosca, só que podem matar outro pets se não forem devidamente treinados. Este cão é carinhoso e muito afetuoso com a família tutora, incluindo crianças e outros cães. Os Boxers são inteligentes e fáceis de treinar. Em geral não são tão barulhentos.

Os cães dessa raça gostam de climas amenos, então trata-los em lugares muito frios ou quentes precisam de atenção extra. Não é boa ideia deixar um Boxer entediado ou sozinho muito tempo, já que podem se tornar destrutivos.


Menções Honrosas

Embora as raças já mencionadas acima sejam as de cães com maior força de mordida, estão longe de ser as únicas mordidas que você deve ter cuidado. Veja a seguir alguns outros cães que tem a mordida bem forte também:

Em razão de informações, por vezes conflitantes, sobre a força da mordida dos cães, alguns especialistas afirmam que alguns desses citados podem ter mordida mais forte do que os listados nesse post.


EXTRA:
Perguntas comuns sobre as raças de cães com a mordida mais forte.

Ainda ficaram algumas dúvidas sobre o assunto? Considere ainda:

Qual raça tem maior força de mordida?
Os cães de raça Mastim tem as mordidas mais fortes, seguido pelo Rottweiler.

Qual raça oferece mordida mais fraca?
O simpático Bulldog Inglês tem a mordida mais fraca, seguido pelo Bullmastiff e Shih Tzu.

Cachorro da raça Rhodesian Ridgeback
Leão da Rodésia

Qual animal teve a mordida mais forte registrada até 2020?
O Crocodilo do Nilo tem a maior força de mordida. Outros mordedores violentos incluem hipopótamos, gorilas, onças, tubarões brancos, ursos polares, Tigres de Bengala e hienas pintadas.

Qual cachorro pode matar um leão?
O Leão da Rodésia (Rhodesian Ridgeback) pode matar um leão, assim como o Rottweiler.

Qual cachorro é mais forte que um Pitbull?
O Rottweiler é mais forte que o Pitbull e pode vencê-lo em um confronto.

Fonte:
TopDogTips

Como combater a ansiedade nos cães: causas comuns e soluções possíveis

Segundo os estudiosos do comportamento animal, até 40% dos cães sofrem de ansiedade de separação. Outras formas de ansiedade canina também podem afetar os cães, e isso deixa seus donos muito perdidos de como ajudá-los.

Na realidade, muitos donos de cães simplesmente não estão preparados para lidar com o comportamento de seus animais de estimação quando estes se sentem ansiosos. Seu pet pode uivar, chorar, reclamar e latir constantemente ou até começar a destruir a casa para lidar com o que está sentindo.

Saber ajudar é ainda mais difícil, já que são várias as formas de ansiedade nos cães. Uma melhor compreensão de todas as diferentes formas de ansiedade canina pode ajudar. Siga com a leitura deste post e aprenda a identificar a causa da ansiedade do seu dog. Só então comece a mirar em uma solução.

[table id=21 /]


 

Sintomas de Ansiedade Canina

Embora já mencionado que existem vários tipos de ansiedade canina, todos compartilham de sintomas semelhantes.

Cães com ansiedade podem:

  • Andar vacilante, pra frente e para trás;
  • Girar em círculos ou correr atrás do rabo constantemente;
  • Babar e tremer;
  • Apresentar dificuldade para respirar;
  • Uivar e latir incessantemente;
  • Se esconder de tudo e de todos;
  • Roer móveis e outras coisas;
  • Arranhar o piso ou portas;
  • Correr com barulhos altos;
  • Evitar de certos objetos;
  • Exibir comportamento agressivo, como rosnar ou morder.

Em um esforço para lidar com seus sentimentos de ansiedade, os cães também podem se mostrar deslocados. Eles podem se coçar muito ou bocejar constantemente, em uma busca para mudar o que estão sentindo no momento. Eles também podem ficar farejando o chão ou correr de janela em janela tentando se distrair.

Os sintomas da ansiedade variam consideravelmente de cão para cão e dependem das causas primárias. Por exemplo, fugir de barulhos altos e evitar certos objetos pode indicar uma raiz de ansiedade relacionada ao medo e não a outros tipos.

Buscar a raiz do problema é essencial para ajudar a resolver a ansiedade dos cães. Compreendendo o que causa a angústia, os donos de cães podem finalmente encontrar maneira de aliviar a ansiedade dos cães e acabar completamente com os sintomas que eles apresentam.


 

Ansiedade em cães: Destruição
Entre os sintomas de ansiedade nos cães está a destruição de móveis

Ansiedade relacionada ao medo

Com a ansiedade relacionada ao medo, os cães costumam agir nervosos em situações específicas ou em torno de determinados objetos.

Eles exibem apenas os sintomas de ansiedade só nessas circunstâncias particulares e agem de maneira completamente normal no restante dos momentos.

A ansiedade nos cães, relacionadas ao medo, pode surgir durante:

  • Tempestades;
  • Shows de fogos de artifício;
  • Passeios de carro;
  • Visitas a lugares totalmente novos;
  • Descoberta de objetos estranhos.

Quase qualquer coisa pode provocar medo nos cães, especialmente se eles não foram previamente acostumados à situação ou item em questão. Exemplo: alguns cães reagem com extremo medo ao simplesmente ver sacos de plástico sacudindo ao vento, fazendo com que eles se tornem cada vez mais medrosos com esse objeto.

Os donos dos cães devem identificar a causa exata dos medos de seus pets para ter chance de reduzir ou eliminar totalmente suas ansiedades. Sem esse diagnóstico, fica muito mais difícil ajuda-los a resolver o problema.

Causas da ansiedade por medo

Um pouco de medo e cautela é normal e saudável, já que os cães encontrarão novas situações ao longo da vida. Seus tutores precisam trabalhar com paciência e gentileza com seus cães para evitar que os níveis mais elevados de medo se instaurem. Enquanto isso, é importante que não tratem os cachorros com excesso de preocupação, dessa forma, o cachorro capta essas emoções e reforça seus medos.

A ansiedade canina relacionada ao medo também pode começar em resposta a uma situação angustiante. Os cães precisam reservar um tempo para investigar o espaço ou o item diante deles para lidar com seus medos de maneira saudável. Se forem forçados a atravessar determinada área desconhecida antes que tenham decidido fazer, seus medos podem piorar e se agravar, causando a ansiedade em novas situações semelhantes.

Ansiedade em cães: Medo
Lide com segurança com seu cachorro. É muito importante para ele, sentir confiança em você.

Genética

Qualquer raça de cachorro pode desenvolver ansiedade, embora alguns apresentem um risco maior se deixados por conta própria com muita frequência. Border Collies, Galgos e raças semelhantes, por exemplo, tendem a ser cautelosos com novas situações e a desenvolver ansiedade baseada no medo. Qualquer treinamento ou condicionamento não reverterá essa predisposição do cachorro para ser medroso. Seus donos só podem procurar atenuar os efeitos e ajudar o cão a encarar as novidades da vida com curiosidade, em vez de medo.

Educação

A maneira como os cães são criados durante a infância e depois também afetam seu potencial para desenvolver a ansiedade baseada no medo. Os filhotes precisam ser socializados e levados ao mundo com frequência para que desenvolvam postura calma para novas situações. Privá-los de novas experiências e interações sociais antes das 14 semanas de idade pode deixá-los com medo de tudo que a vida apresentar.

Mesmo cães com tendência genética a ter medo, ou não terem a melhor educação, podem superar seus medos com a ajuda de seus donos. É necessário, portanto, que você identifique a causa exata da angústia do seu animal de estimação para então dirigir às soluções certas.

Para isso, observe como o cão se comporta em diferentes situações e faça uma lista das coisas que você percebe que desencadeiam uma resposta ansiosa. Em seguida, tente encontrar pontos em comum entre os itens da lista e identifique o caminho para a melhor solução.

Soluções

Existem muitas soluções para eliminar os medos do seu cachorro e, então, reduzir a ansiedade baseada no medo. Nem todas elas funcionarão para todos os cães; portanto, serão necessárias algumas “tentativas e erros” até encontrar a medida certa. Antes de começar, é importante entender o que não fazer ao lidar com um cachorro com medo.

Por exemplo, nunca:

  • Dê conforto ao pet demonstrando sinais de medo. Isso só servirá para afirmar a ansiedade canina;
  • Force o cachorro a encontrar um objeto ou a enfrentar lugar ou situação que cause medo;
  • Oprima um cão estressado, forçando-o a trabalhar seus medos naquele momento.

Em vez disso, prepare os cães para aprender sobre o mundo e enfrentar seus medos com sucesso. Certifique-se de entender com o máximo de precisão os níveis de estresse do cachorro a cada sessão de treinamento. Por exemplo, para manter o envolvimento sempre positivo. Além disso, procure sempre terminar com uma recompensa generosa (leia-se petiscos) e carinho honestamente feliz por um trabalho bem feito.

Exercícios de exposição controlada

Para lidar com a ansiedade canina relacionada ao medo, os exercícios de exposição geralmente funcionam muito bem. Sempre esteja em um ambiente controlado. Isso permite que o cão treine sem distrações e ajuda a impedir que qualquer gatilho atrapalhe o treinamento, podendo prejudicar todo o progresso.

Para concluir os exercícios de exposição direcionadas, comece com os os provocadores de estresse “mais leves” e, em seguida, trabalhe até os mais desafiadores. Por exemplo, se o cachorro tiver um pouco de medo de carrinhos de bebê, coloque um carrinho vazio do outro lado da sala e convide-o a dar uma olhada. Não aproxime o objeto nem faça com que ele mude de posição.

À medida que a linguagem corporal do seu cão relaxa e ele se aproxima do carrinho por conta própria, elogie e dê petiscos. Caso ele não se aproxime, mova lentamente o carrinho alguns centímetros mais perto, levando seus níveis de conforto ao limite, mas sem sobrecarrega-lo.

Mantenha essas sessões de treinamento curtas, parando entre 5 a 10 minutos por vez. Termine sempre exaltando o esforço do cachorro com entusiasmo honesto para que esse momento fique associado a bons sentimentos. Isso ajudará o cachorro a entender os momentos de treinamento com confiança e entusiasmo, substituindo progressivamente o sentimento de medo que nutria antes.

Passeios em ambiente livre

Quando seu cachorro parar de mostrar reações de medo à situação ou ao objeto em questão, o próximo estágio de treinamento fica em torno de saídas para reforçar o aprendido anteriormente em ambiente controlado. O ideal seria que os passeios deem ao pet a chance de encontrar seus gatilhos de estresse em um ambiente descontrolado.

Leve esse processo tão devagar quanto antes, como se nenhum progresso tivesse sido alcançado. Se possível, apenas siga a orientação do seu cachorro em farejar objetos ou conhecer novas áreas, fornecendo suporte e controle ao longo do passeio. Não esqueça dos elogios e petiscos à medida que o cão reaja calmamente aos estímulos. Como já mencionado, isso sempre ajuda a reforçar os sentimentos positivos e mantém o medo sob controle.

Repita os exercícios de exposição e passeios em ambiente livre para cada situação ou objeto angustiante para efetivamente desmontar todos os medos instalados no cão e criar sólida confiança.


 

Ansiedade em cães: Separação
Essa cena de cortar o coração você já deve ter visto.. sintoma da “ansiedade de separação”, muito comum em nossos pets.

Ansiedade da separação

Por volta de 40% dos cachorros de estimação tem ansiedade de separação. Há uma grande chance de seu próprio pet ter esse problema. A ansiedade de separação ocorre toda vez que o cão é deixado sozinho em casa, carro ou outro local – não apenas ocasionalmente.

As reações por serem deixados sozinhos é geralmente bastante dramática. Os cachorros podem:

  • Latir e uivar sem sequer parar para respirar;
  • Rasgar sofás, quebrar pedaços de móveis usando dentes e garras;
  • Fazer necessidades por toda casa, quando normalmente não o fariam;
  • Babar e correr pela casa criando bagunça por onde passar.

O treinamento de arrombamento raramente ajuda, pois cães com ansiedade de separação vão fazer de tudo para sair, ignorando a dor até mesmo se se machucarem.

Como os cães são muito inteligentes, eles podem até começar esses comportamentos à medida que percebem que seus donos começam a se preparar para sair. O tutor, vestindo uma jaqueta ou pegando as chaves do carro, por exemplo, pode desencadear a ansiedade canina e deflagrar o início dos comportamentos.

Causas da Ansiedade de Separação

Os cães podem desenvolver ansiedade de separação por vários motivos e, alguns, geralmente estão fora do controle de seus donos. Ao perceber por que seu cão está ansioso, você pode entender melhor o que precisa fazer para ajudá-lo com uma solução.

A seguir, as causas mais comuns de ansiedade de separação em cães:

Abandono

Cães abandonados, especialmente ao serem levados a abrigos, eles experimentam o triste sentimento de descarte. Quando acontece, os cães podem tentar desesperadamente impedir que essa situação aconteça novamente, mantendo-se sempre ao lado do dono.

Ao serem deixados sozinhos, eles podem sentir que estão sendo abandonados de novo, fazendo com que reajam conforme sua ansiedade vai piorando. Como resultado, podem desenvolver comportamentos destrutivos. Esse comportamento é uma “válvula de escape” que ajuda o cachorro a lidar com os sentimentos fortes da ansiedade e ocupa seu tempo até que seus donos voltem pra casa e esse mal estar passe.

Alterações e mudanças domésticas

Mudanças domésticas, como um divórcio, um novo bebê ou uma mudança de cidade, também podem fazer com que os cães desenvolvam ansiedade de separação. Grandes mudanças geralmente resultam em reviravoltas que os cães não compreendem. Em consequência, seus níveis de estresse e ansiedade aumentam e os deixam incapazes de lidar adequadamente com as mudanças.

Os cães podem reagir às mudanças domésticas ficando pegajosos, desejando ficar sempre ao lado de seus donos. Quando todos saem para o trabalho ou escola, o cachorro não tem certeza se essa mudança é permanente ou não, deixando-os estressados. Para lidar com isso, provavelmente começarão a destruir calçados, móveis ou exibir comportamentos agressivo até que todos voltem para casa.

Falta de exercício físico

De acordo com um estudo sobre o comportamento canino, a falta de atividade física também pode contribuir para o desenvolvimento da ansiedade de separação. Os comportamentos ansiosos podem surgir em cães que têm muita energia reprimida e não têm como a expulsar. Eles podem parecer frenéticos para seus donos chegarem em casa porque precisam sair e brincar ou ter algo pra fazer.

A menos que façam o exercício que precisam, esses cães podem começar a inventar suas próprias atividades, que em geral são bastante destrutivas. Também podem se jogar loucamente sobre os membros da família quando entrarem pela porta, na esperança de ter a chance de sair pra correr e brincar. Esses comportamentos geralmente acabam mal, a menos que sejam rapidamente resolvidos. Em longo prazo, causam problemas adicionais à saúde do animal.

Identificar a causa da ansiedade de separação nos cachorros é interessante, mas não significa que é necessário para a solução do problema. Não importando a causa, você precisa seguir os mesmos passos para ajudar seu pet a superar esse problema.

Soluções

Antes de trabalhar na própria ansiedade de separação, verifique se o cão está fazendo exercícios suficientes todos os dias. Dependendo da raça, porte e nível de atividade, os cães precisam entre 30 minutos e duas horas de atividade física por dia para se manterem felizes e saudáveis. Cães pequenos, como o Spitz Alemão Anão, pode precisar de apenas 30 minutos, enquanto cachorros mais ativos, como o Boxer, precisa de duas horas completas. Reflita sobre a situação e a necessidade do seu cachorro e garanta que ele receba tempo suficiente para brincar e gastar energia. Esse pode ser o começo da solução para a ansiedade dele.

O “treinamento de arrombamento” pode ajudar alguns cães, mas outros ficam em pânico enquanto o dono estiver fora de casa. Apesar disso, vale a pena ver se o uso de uma caixa piora o problema antes de seguir as etapas de treinamento. Deixe o cachorro na grade enquanto as pessoas estiverem em casa, dessa forma você tira o efeito da separação. Faça da caixa (ou grade) um espaço positivo, dando ao cachorro brinquedos e petiscos especiais para ele curtir lá.

Funcionando ou não, você ainda precisará ajudar seu pet a superar a ansiedade da separação definitivamente. Para atingir esse objetivo, siga estas etapas:

  • Coloque o cachorro na caixa (grade) ou em uma sala segura com todos os seus brinquedos favoritos;
  • Permaneça sempre calmo calmo e diga ao seu cão que você voltará breve;
  • Deixe o ambiente onde o cachorro estiver por apenas alguns segundos para começar e aumente gradualmente o tempo de ausência;
  • Volte ao ambiente onde ele está e recompense seu cão por estar calmo e quieto.

É necessário repetidamente executar essas etapas de treinamento, aumentando o tempo de sua ausência em cada rodada. A cada dia trabalhe algumas rodadas por vez e sempre termine com elogios e um petisco, ofereça ao final sempre um momento de muito prazer e carinho. Assim o cachorro sente segurança e acalma ainda mais seus medos. Progressivamente você vai ajudá-lo a se sentir menos ansioso.

Depois de treinar seu cão para ficar “em paz” enquanto você estiver fora, ajude-o a aguardar calmo até sua chegada, sempre oferecendo um algo especial antes de sair de casa. Como sugestão, você pode congelar alimentos molhados, ração e petiscos especiais em um brinquedo KONG, ou deixar um brinquedo interativo como o Fetch’n Treat AFP por exemplo. Cria-se assim uma forma de interação que o cachorro vai gostar e se dedicar horas a fio. Assim, o seu pet deve ficar torcendo pra você sair de casa e ele ter esse tratamento especial.


 

Ansiedade em cães: cachorros idosos
Cães velhinhos precisam de atenção especial.

Ansiedade causada pela idade ou relacionado a dor

Tanto idade avançada quanto dor frequente podem desencadear ondas intensas de ansiedade nos cães. Isso pode provocar mudanças drásticas no comportamento canino. Podem parecer mais medrosos em situações normais e se recusar a cooperar em ambientes ou situações desconhecidas.

Se o comportamento do seu cão mudar repentinamente, começarem a manifestar ansiedade inesperada, é hora de consultar um veterinário. O veterinário vai avaliar o cachorro para doenças comuns e também seu comportamento. Durante esses exames, eles geralmente conseguem identificar o que está incomodando seu cão para encontrar maneiras de lidar com sua ansiedade.

Causas da ansiedade por idade ou dor

À medida que os cães envelhecem, sua saúde física e mental vão se comprometendo naturalmente, causando intensa ansiedade. Os problemas de saúde existentes, como o diabetes, podem complicar as coisas, principalmente se causarem dor. A dor frequente pode causar ansiedade em cães mais jovens também. Como os cachorros não conseguem se dizer o que sentem, faça uma visita ao veterinário para descobrir exatamente o que está errado.

Dor física

No vet, seu cão fará um check-up completo, que permite ao profissional diagnosticar as condições que potencializam os sintomas de ansiedade. O veterinário vai procurar sinais físicos e provavelmente realizará alguns testes para fazer um diagnóstico mais preciso.

Dores físicas associadas à ansiedade em cães podem ser:

  • Artrite;
  • Abscesso dentário;
  • Doença gengival;
  • Infecções de ouvido (otite);
  • Infecções do trato urinário;
  • Câncer;
  • Pancreatite.

Quando os cães sentem dor, podem reagir agressivamente ao serem tocados ou deixados sozinhos por longos períodos de tempo. Além disso, é importante que você saiba: eles não entendem por que estão se sentindo tão mal e isso acaba agravando os sintomas de ansiedade.

Declínio cognitivo

Os cães, igualmente aos seres humanos, sofrem um declínio cognitivo à medida que envelhecem. Consequentemente, a ansiedade se torna pior com o tempo. Também como os humanos, os cachorros podem desenvolver demência em idade avançada, embora isso seja chamado de “síndrome da disfunção cognitiva canina”.

Os sintomas da síndrome da disfunção cognitiva canina podem incluir:

  • Confusão;
  • Irritabilidade;
  • Reações estranhas a situações normais;
  • Fraqueza física;
  • Maus hábitos de sono;
  • Acidentes domésticos.

O cachorro pode começar a agir de maneira nervosa por qualquer período de tempo em que você o deixar, mesmo ele nunca ter sentido a ansiedade de separação nos anos anteriores.

Perda de visão e/ou audição

Quando os cães perdem a visão ou a audição, a ansiedade tende a surgir à medida que passeiam e sentem dificuldade pelo ambiente por onde andam. Cães cegos podem ficar nervosos se não conseguirem atravessar a casa sem esbarrar nas coisas pelo caminho ou sentirem dificuldade em encontrar o dono com facilidade. Cães surdos podem sentir ansiedade se forem abordados de susto ou sentirem que não podem participar mais das interações como faziam antes.

Há muitas coisas a considerar antes de definir a causa da ansiedade relacionada a idade ou à saúde nos cães. Nessa hora, um veterinário pode ajudar melhor a identificar a causa e lhe ajudar com soluções para seu cãozinho lidar com as mudanças.

Soluções

Se a situação de saúde física e mental determinarem a ansiedade do seu pet, ele precisará de cuidados de um veterinário para se recuperar.

Em alguns casos, há tratamento que pode ajudar a aliviar as dores e em consequência os sintomas da ansiedade. Em casos mais graves, no entanto, os veterinários poderão apenas oferecer conforto mínimo. Passar pelo processo de diagnóstico e conversar sobre as opções de tratamento com o profissional será a única maneira de você lidar com a situação.

Além de tratamento para a condição diagnosticada, os veterinários podem sugerir também o uso de suplementos ou medicamentos para aliviar os sintomas no cão. Remédios anti-ansiedade podem aliviar o sofrimento, mas muito provavelmente não resolverão definitivamente o problema.

Felizmente, existem algumas coisas que você pode fazer para aliviar esse sofrimento em seu velho amigo de estimação, por exemplo:

  • Carinho e palavras confortantes em voz baixa e calma;
  • Uma vez identificadas, evitar tocar áreas dolorosas;
  • Oferecer um cobertor ou brinquedo para interação;
  • Deixar a TV ou rádio ligado quando sair de casa.

Se o seu cachorro estiver sentindo muita ansiedade por causa da cegueira, então, ter um outro cãozinho saudável pode ajudá-lo muito. O cachorro saudável ajuda na orientação do cachorro cego, servindo como guia e apoio. Apenas certifique-se de que o cãozinho companheiro tenha perfil tranquilo para ter maior efeito junto ao parceirinho cego.

Cães surdos, por outro lado, podem precisar aprender comandos com sinais manuais para se acalmar e lidar com as mudanças. Eles também precisam que seus donos os abordem apenas pela frente e evitem tocá-los sem que percebam sua presença antes.

Se seu pet está doente, machucado ou apenas envelhecendo, é importante eliminar os riscos à saúde dele em sua casa também. Se o cachorro tem dores no quadril, por exemplo, considere usar tapetes seguros em pisos lisos para melhorar a aderência. Além disso, considere deixar comida e o cantinho de descanso em áreas de fácil acessibilidade.


 

Ansiedade em cães: Companhia para animais de companhia :)
Companhia para animais de estimação também ajudam a diminuir sintomas de ansiedade.

Ajudando cães com ansiedade

Não importa a causa, cães com ansiedade se beneficiam de sessões de treinamento específicas.

Esses treinamentos podem ajudar o cachorro a desenvolver sólidas habilidades para enfrentar e compreender as situações incômodas que provocam ansiedade. Por outro lado, as sessões de treinamento precisam ser concluídas regularmente e reforçadas no dia-a-dia para reduzir a ansiedade de maneira efetiva. Essa é uma missão para quem tem disciplina e real vontade de ajudar o pet.

Um instrutor qualificado pode ajudar você nesse processo. Assim você adquire confiança para avançar com os treinamentos de maneira consistente. Você pode usar as orientações para praticar as habilidades em casa e ajudar seu cão a enfrentar o estresse. Os profissionais apresentam maneiras de conter o comportamento destrutivo do pet e substitui-lo por ações mais saudáveis. Os instrutores também ajudam a você aprender como avaliar a linguagem corporal do pet. Isso é importante, pois orienta você a entender quando é necessário intervir ou retirar o cachorro de situações estressantes antes que reajam de maneira nervosa.

Os treinadores de cães tendem a usar técnicas de reforço positivo nos treinos de reabilitação. Por meio do reforço positivo, os cães são estimulados a reavaliar as situações para que não deixem o estresse tomar conta.

Enquanto ajuda os cães a se sentirem menos ansiosos nos passeios, por exemplo, os dog walkers podem seguir estas etapas:

  • Coloque o cachorro na coleira e pegue alguns petiscos;
  • Vá até o quintal enquanto fica atento às reações do pet;
  • Elogie, faça carinho e dê a recompensa se o cachorro permanecer calmo ao ar livre.

Depois de deixar o cachorro seguro para sair, você pode levá-lo lentamente além dos limites do quintal. Apenas alguns metros de cada vez, ajudando o cão a lidar com a mudança sem que se sinta sobrecarregado. Quando o cachorro age com calma enquanto enfrenta o que antes gerava estresse, você elogia e oferece carinho e petiscos para reforçar o comportamento desejado.

O profissional ajusta a abordagem de acordo com o comportamento, fornecendo ao cachorro o apoio e a segurança necessária para que se sintam seguros, confiantes e, assim, menos ansiosos. Para cachorro com mastigação nervosa, você pode buscar fazer com que o cachorro utilize um brinquedo mordedor em vez de destruir móveis. Sempre utilizando o reforço positivo quando o cachorro realiza a resposta desejada (elogio, carinho e petiscos).

Como os profissionais ajudam você a identificar os comportamentos problemáticos no seu cachorro, eles também vão ajudar a reduzir a ansiedade sentida pelo animal. Quando o pet entende seu lugar na casa e como deve agir, eles ficam calmos e isso promove bem-estar em longo prazo.


 

Medicamento: o que dar aos cães com ansiedade?

Quando tudo falhar, ou você desejar solução rápida para um momento de crise, medicamentos podem ajudar. Mas verifique com seu veterinário antes de dar qualquer coisa aos cães, mesmo que algo natural ou remédio de venda livre.

Se seu veterinário receitar algo que funcione, utilize. Há muitas opções, mas às vezes serão necessárias algumas tentativas e erros até encontrar o melhor medicamento para o seu pet.

Remédios sem prescrição veterinária

Certos medicamentos vendidos sem receita, como Benadryl, são relativamente seguros para os cães tomarem contra ansiedade. Evite, no entanto, dar o remédio sem consenso de seu veterinário. Ele pode lhe oferecer melhores informações sobre dosagem e considerações que sejam perfeitas à necessidade de seu cachorro.

O Benadryl é produzido com difenidramina HCL, que é um anti-histamínico usualmente utilizado no tratamento de alergias em pessoas e também em cães. O ingrediente ativo impede que as histaminas atinjam receptores no cérebro, que desencadeiam reação. Benadryl também é útil para frear a ansiedade, já que acalma mente e corpo através de seus efeitos sedativos. Os cães em geral se sentem um pouco sonolentos depois de tomar o remédio, então quando estiverem em um ataque de estresse, eles podem descansar em vez de destruir alguma coisa para lidar com o incômodo.

Por outro lado, este medicamento nunca deve ser administrado em cães com certas condições de saúde, como glaucoma e distúrbios convulsivos. Portanto, certifique-se de consultar seu vet para confirmar se este remédio será positivo ao dog antes mesmo de dar a primeira dose.

Considerações a respeito da dosagem

Como com qualquer medicamento sem receita ou prescrição, as doses são importantes para que o resultado pretendido seja atingido sem causar danos ao animal. De acordo com o manual da Merck para veterinários, Benadryl é normalmente administrado a uma taxa de 2 a 4 mg por quilograma de peso corporal. Já a dose ideal para seu cachorro pode variar conforme seus sintomas de ansiedade e condições de saúde.

Sempre evite o remédio em cápsulas que liberam o medicamento ao longo do tempo, pois elas podem se romper causando overdose. Além disso, muita atenção às diferenças de dosagem entre os vários tipos de Benadryl. A pílula e a forma líquida deste medicamento, por exemplo, têm diferentes doses a serem seguidas; então, obedeça os conselhos do veterinário e não invente ou substitua suas recomendações.

Efeitos colaterais

Como com qualquer medicação, Benadryl pode causar efeitos colaterais que vão de inofensivos a graves:

  • Aumento da frequência cardíaca;
  • Respiração curta e rápida;
  • Retenção de urina;
  • Letargia;
  • Vômito;
  • Diarréia.

Os efeitos colaterais mencionados tendem a surgir dentro de uma hora após a administração da medicação. Fique de olho em seu cachorro dentro desse período e relate quaisquer efeitos colaterais ao seu veterinário. Com a ajuda dele, você pode avaliar melhor a relação de benefício e riscos e decidir se este é o melhor remédio para seu pet.

Remédios naturais, ervas e medicina alternativa para cães

Se você precisar, ou desejar, algo que ofereça menos ou nenhum efeito colateral, considere suplementos vitamínicos, ervas ou outros remédios naturais. Existem muitas alternativas úteis disponíveis para o tratamento da ansiedade em cães. Ao menos para minimizar os sintomas. Veja aqui algumas opções:

Camomila

Assim como as pessoas, os cães podem se beneficiar muito da ingestão de camomila para lidar com a ansiedade. Os compostos ativos nesta erva, como a apigenina, ajudam a acalmar corpo e mente, afastando assim os efeitos do estresse. A erva também tem um efeito sedativo leve, dando aos cães a chance de relaxar.

Como provavelmente os cães não vão aceitar tomar um chazinho, o ideal é adquirir a erva com base glicerinada. A dosagem mais comum é de 1 ml por 13,6 kg de peso corporal, embora seja mais adequado você verificar junto ao vet a dose perfeita para o seu cachorro.

Raiz de Valeriana

A raiz de valeriana é outro suplemento de ervas que pode ajudar os cães a se sentirem menos ansiosos. Esta erva atua como um agente sedativo e calmante leve, que pode ser usado conforme necessário para tratar a ansiedade canina. Os cães tendem a ficar sonolentos depois de ingerir a raiz e, dessa forma, evitar reações agressivas ou destrutivas pela casa afora.

Procure este suplemento em tinturas, cápsulas ou comprimidos para mastigar e imagine qual seria o mais fácil de utilizar junto ao seu cão. Mais uma vez veja com seu veterinário para encontrar a dose certa, pois ela pode variar consideravelmente de cachorro para cachorro e também conforme a sua formulação.

Óleo de Canabidiol (CBD)

Ao usar o óleo de CBD, são ativados os endocanabinóides naturais do cérebro. Isso ajuda a controlar a ansiedade na fonte. Os receptores canabinóides no cérebro atraem os compostos CBD, que estimulam a produção de serotonina. Ajuda a estabilizar o humor e a reduzir sentimentos de ansiedade – seja em cães, seja em humanos.

Para melhores resultados, adquira apenas óleo de CBD feito com cânhamo de espectro total e indicado para uso exclusivo em cães. As instruções de dosagem estão incluídas no frasco, mas é sempre bom consultar o veterinário para confirmar se estão corretas e adequadas ao seu pet.

Florais de Bach

O Dr. Edward Bach criou uma mistura única de essências florais para auxílio do alívio de sintomas da ansiedade. Assim nasceu o Rescue Remedy que é indicado a cães, gatos e outros animais.

Muitos compostos de flores diferentes são apresentados neste remédio, como:

  • Clematis: para estarmos acordados e presentes para ajudar a recuperação;
  • Rock Rose: coragem de vida para enfrentarmos momentos difíceis, e melhora os sangramentos;
  • Impatiens: paciência, calma, para relaxar até chegar o socorro.

Ao colocar apenas algumas gotas do remédio na água bebida pelo cachorro, espera-se a redução considerável da ansiedade dele. Esta mistura pode ser usada diariamente sem qualquer risco de efeito colateral, sendo uma ótima opção para cães que estão sempre ansiosos.

Os veterinários podem lhe sugerir suplementos, vitaminas e outros remédios mais naturais para seu cão ansioso. Como em outras soluções, geralmente é necessário paciência e diversas tentativas até encontrar algo que de fato funcione para os sintomas de cada cão.

Medicação com prescrição veterinária

Quando a ansiedade é muito intensa, os cães têm dificuldades até para se concentrar no treinamento feito justamente para aliviar os sintomas desse estresse.

Os pets podem encontrar pouco ou nenhum alívio em remédios naturais e alternativos. E é importante que você procure eliminar os sintomas para só então preparar seu cachorro para o enfrentamento do dia-a-dia com os treinamentos que vimos acima.

Para ter sucesso nesse objetivo, seu veterinário pode prescrever remédios anti-ansiedade ao cachorro. Esses medicamentos aliviam rapidamente o estresse, permitindo que os cães não se sintam sobrecarregados e reajam de maneira agressiva ou destrutiva.

São vários os medicamentos para o tratamento do distúrbio. Entre eles:

  • Amitriptilina;
  • Lorazepam;
  • Alprazolam;
  • Diazepam;
  • Fluoxetina.

O vet usará o histórico médico e também considerar os sintomas do cachorro para então identificar a melhor medicação para ele. A causa da ansiedade também entrará em jogo, pois alguns remédios são melhores que outros para determinados fins.

O Alprazolam, por exemplo, proporciona alívio rápido para ansiedade intensa causada por barulhos prolongados, como fogos de artifício, trovoadas ou outros gatilhos de estresse temporários. Normalmente é administrado conforme a necessidade, e não com uso contínuo. Os efeitos calmantes e sedativos agem imediatamente e eliminam completamente os sintomas de ansiedade.

A Amitriptilina, por outro lado, pode ser tomada diariamente em doses baixas para impedir que a ansiedade chegue a se manifestar. Por outro lado, esse remédio não deve ser usado no momento em que o cachorro já esteja incomodado com o estresse. Em vez disso, ele fornece suporte em longo prazo, auxiliando na produção de serotonina no cérebro do cachorro. Cães com ansiedade de separação se beneficiam mais deste medicamento do que os de ação rápida, pois reduz a ansiedade em todos os aspectos.

Uma vez que os cães tomam um medicamento prescrito pelo veterinário para controlar efetivamente a ansiedade, você como dono ou dona responsável, pode se dedicar ao treinamento e outros métodos mais naturais para resolver os problemas comportamentais de seu pet. Alguns cães são capazes de parar o uso total do medicamento quando aprendem a se comportar diante das situações que antes eram gatilhos dos problemas. Mas outros cães podem ter que viver sob medicação permanente por toda a vida.

Apenas o veterinário vai lhe fornecer a orientação e o apoio necessário para encontrar a melhor medicação e também qualquer método posterior para manter a ansiedade e o estresse longe do seu cão. Lembre-se de agendar exames regulares, mesmo que o medicamento mantenha a ansiedade do seu cachorro sob controle.

Ansiedade em cães: Fale com seu Veterinário
Dicas e esclarecimentos são sempre bem vindos: mas nada substitui o conhecimento técnico de um profissional veterinário!

 

Fale com seu veterinário

Quando os cães se sentem ansiosos, eles procuram alívio junto aos seus donos. Se não puderem contar com isso, eles simplesmente continuarão com os comportamentos destrutivos. Essa é a forma como lidam com o que estão sentindo. Felizmente, basta uma pequena observação e reflexão sobre o motivo pelo qual seu cão está manifestando a ansiedade para começar a encontrar as soluções.

Por tentativa e erro, você pode encontrar saídas que funcionarão melhor para os sintomas de ansiedade específicos do seu cachorro. Sua dedicação e paciência ajudará a diminuir o sofrimento do seu cão e, como consequência, melhorar a qualidade de vida e até de sua relação com o pet. Para tanto, reserve um tempo na agenda para conversar com seu veterinário para começar o quanto antes.

O que você achou?

Se você chegou até aqui, nos diga o que você achou das dicas nos comentários abaixo. Se você já passou pelo problema e hoje desfruta da solução com o seu cachorro, compartilhe sua experiência aqui.

Fonte:
Top Dog Vitamins

6 Razões para você ter DOIS em vez de apenas UM cachorro

Um cachorro vai oferecer companhia ao outro. Um cachorro vai ajudar no treinamento de outro e o melhor: não custa o dobro. Veja:

Quem tem um cachorro em casa já sabe: eles são dedicados e amorosos. Não é exagero em dizer que são membros da família, pois é assim que devem ser tratados mesmo!

Então o que poderia ser melhor que ter um cachorro em casa? Ter dois!

Cachorro é um bicho que adora companhia e parceria!

1. Ter dois cachorros não custa o dobro

Se você é um pai ou uma mãe de pet responsável, sabe que manter qualidade de vida ao cachorro tem seu custo. Mas dobrar a fofura em casa não significa dobrar o custo. Além das vacinas regulares, ter dois cães não força você a despender mais dinheiro por mês.

Muito do que você precisa para um cachorro pode ser simplesmente compartilhado pelo outro. Isso vai incluir:

  • Brinquedos
  • Camas
  • Comedouros e água
  • Petiscos
  • Produto de higiene se você utiliza em casa

Em relação à ração, é importante notar que alimentos para filhotes tem formulação diferente das de adulto, então em caso de ter cães com idades muito distintas, converse com seu veterinário sobre a utilização de mesma ração para eles.

O dobro do amor não custa o dobro do valor!

2. Você vai salvar uma vida a mais!

Essa conta óbvia a gente não faz, mas não deixa de ser… óbvia: ao adotar dois cães, você está salvando duas vidas.

O Brasil tem cerca de 3,9 milhões de pets abandonados e destes, estima-se que cerca de 1,2 milhão são sacrificados. Então o impacto de uma adoção responsável na vida dos pets é significativo. Sem dizer que essa responsabilidade social tira um possível disseminador de doenças da rua e também deixa espaço aos abrigos para receberem outros animais em necessidade de cuidado.

3. Um cachorro ajuda no controle da “ansiedade de separação” do outro

Se você tem um cachorro já deve saber que, ao virar as costas para sair, o drama começa. O choro, as patinhas arrastando na porta são indícios físicos de uma intensa ansiedade que acontece com o cachorro ao se ver deixado sozinho.

Embora alguns cachorros lidam melhor com a ansiedade de separação, para outros a exigência de atenção e soluções de comportamento são necessárias. Em casos mais extremos, até medicação!

Mas a melhor maneira de um cachorro lidar com a ansiedade de separação é ter um parceirinho em casa. A companhia de um cachorro para o outro enquanto você está ausente é um apoio emocional fundamental para ambo permanecerem calmos enquanto você está fora de casa.

O combustível do amor do cachorro é carinho e amor também.

4. Cães mais velhos ajudam os mais novos a aprender

A relação é curiosa, já que, ensinar a um cachorro velho novos truques é difícil, mas um cachorro velho vai certamente ensinar um cachorro mais novo a se comportar dentro das regras que ele já vive em sua casa.

Instintivamente os cães buscam orientação em um líder. O cachorro mais velho fará esse papel naturalmente. Então a introdução de um segundo pet em uma casa onde já se encontrava um cachorro faz com que essa adaptação seja mais fácil e rápida pelo novato.

Quando se tem um cão adulto e um filhote, o mais velho vai servir de liderança ao mais novo, que vai buscar modelar seu comportamento de acordo com o cachorro adulto.

E sabe onde isso é mais interessante na prática? O cachorro mais novinho vai logo saber onde deve fazer as necessidades, se o cachorro mais velho já estiver devidamente treinadinho para isso. Sensacional, não é?

Que tal ter um professor para seu aluno? 🙂

5. Um cachorro vai manter o outro entretido e exercitado

Passear com o cachorro é vital para sua saúde, tanto mental como física. Conforme idade e porte do animal, por vezes você precisa de no mínimo 30 min por dia para manter uma rotina de exercícios fundamental ao cachorro.

Já a companhia de um (ou mais) cachorros faz com que todos se mantenham ativos, felizes e socializados na medida certa. Não que você deva parar de passear com os cães, mas para o período que você está fora (escola, trabalho ou encontro com amigos) os seus pets estarão bem, entretendo-se entre si.

Sabe onde você vê essa vantagem na prática? Menos móveis e chinelos roídos. Parece vantajoso, não é?

Vida leve e feliz com dois cães em casa

[ Veja também: Cachorros entendem o que falamos ]

6. Por fim: você terá O DOBRO DE AMOR em casa

Se você já viu acima que não, ter dois cães NÃO CUSTA o dobro, sim, ter dois cães é ter O DOBRO DE AMOR em casa. Sabe qual a razão para a maioria das famílias adicionarem um segundo cão à família? Justamente porque o primeiro trouxe tanto amor e alegria que se busca mais. Justo, não acha?

Chegar em casa e ser recebido por um pet já é especial e gostoso. Quando você dobra essa experiência, o gostinho é ainda maior.

Ter dois ou mais cães em casa pode ser trabalhoso às vezes, mas os prós superam muito os contras. De um comportamento mais amigável e tranquilo à maior saúde física e emocional – tanto para os pets quanto para você – há certamente muitas outras razões para se ter DOIS em vez de UM cachorro em casa.

Na Petite Sofie você encontra o melhor para servir seus pets com qualidade e amor, já viu o site?

Você tem dois ou mais cães em casa?
Que outras razões você daria para tê-los?

Compartilhe nos comentários abaixo!

Fonte: Amo Meu Pet

Mulher queria fazer filho de 1 ano falar “mama”, mas é surpreendida quando é o cachorro quem fala! [VIDEO]

Para um bebê, dizer “mama” é um grande avanço em sua vida. Não mostra apenas a afeição do bebê para a pessoa mais importante de sua vida, mas é também um sinal de grande desenvolvimento. A maioria dos bebês conseguem dizer “mama” por volta dos 12 meses de vida.

Uma mãe, no entanto, chamada Andrea Diaz-Giovanini ficou um tanto quanto surpresa quando tentava fazer seu filho – Sam – falar mama.

Sam, um bebê de 1 ano e Patch, seu cachorrinho de estimação

Andrea tenta fazer seu filho falar “mama”

Em um video que captura o flagrante, Andrea está sentada em sua cadeira servindo comida a Sam. Na altura de seu joelho estão Sam e Patch, um Shepherd Australiano. Ela pede para que Sam diga “mama”. Já seu filho se mostra relutante e apenas a encara, focando seu rosto e o garfo em sua mão.

Patch começa a ficar excitado enquanto olha para a comida na mão de Andrea

Parado ao lado de Sam, Patch está louco de vontade de lascar uma mordida na comida que Andrea quer oferecer a Sam. Enquanto Andrea tenta fazer Sam falar “mama” para receber a comida. Enquanto isso, Patch, que é treinado, fica cada vez mais animado e tenta vocalizar o que ela quer para ele – Patch – receber a garfada!

Então o inimaginado acontece

Finalmente, Patch solta um perfeito “mama”, que causa grande surpresa em Andrea que reage instantaneamente. Patch continua a dizer “mama” enquanto fica na expectativa de receber a comida. De repente Sam percebe que Patch está tentando “roubar” a sua comida como prêmio e empurra o cachorro pra longe, que causa ainda mais surpresa à cena. Todos riem!

Sam empurra Patch após ele conseguir “cumprir a sua missão” 🙂

Cães podem falar?

De acordo com a Scientific American, a habilidade dos cães em falar é mais uma forma de imitação. O cachorro ouve o som do dono – ou que alguém faça – e tenta reproduzir usando seu latido. Exatamente como o verificado no video do Patch aqui. O principal problema com isso é que as cordas vocais de um cão não são desenvolvidas como são as nossas, bem como a articulação de sua boca e línguas impedem a reprodução de palavras ou sons mais complexos. Eles são bem limitados nas possibilidades em “falar”.

A habilidade para “falar” de um cão indica muito sobre o nível de sua inteligência, que nós não costumamos atribuir aos animais ditos irracionais. E por mais inteligente que um cachorro possa ser, eles ainda são muito limitados em suas habilidades de falar como nós, seres humanos.

[ Veja também: Cães entendem o que falamos ]


Patch teve recompensa com petiscos por seus esforços em falar

Quanto a Patch, alguns que viram o vídeo ficaram preocupados porque ele não foi recompensado por suas incríveis habilidades vocais. Mas Andrea foi rápida em garantir a todos que Patch recebeu os petiscos que ele merece e até postou um vídeo de acompanhamento para mostrar isso.

Veja o vídeo da incrível façanha de Patch abaixo:

Video de Andrea Giovanini de seu filho Sam e seu cachorro Patch

Conheça aqui brinquedos interativos que promovem inteligência e obediência dos cães

Fonte:
RonProject

Em meio a tragédias na Austrália, uma história fofa: Golden Retriever salva bebê koala

Uma linda cachorra da raça Golden Retriever ganhou a internet na Austrália após salvar a vida de um bebê koala.

A dona da Golden, Kerry McKinnon teve o choque de sua vida ao descobrir que um pequeno Koala (ainda bebê!) buscou conforto se aconchegando com sua Golden Retriever Asha, de 5 anos de idade.

Essa é Asha e o koalinha no momento do flagrante. Foto: Kerry McKinnon/Caters News

A mulher, de 45 anos de idade da cidade de Strathdownie, estado de Victoria, disse que muito provavelmente o filhote se separou da mãe durante a noite e acabou se refugiando na varanda da casa, onde Asha estava. Kerry encontrou o bebê Koala deitado confortavelmente junto da sua Golden Retriever.

Com as temperaturas chegando a 5ºC na madrugada (o ocorrido foi em Setembro de 2018), Kerry disse que provavelmente o Koalinha não tivesse sobrevivido se não tivesse encontrado o calor do aconchego de Asha naquela noite.

O acaso “heróico” de Aisha rendeu muita repercussão na mídia da Austrália. As fotos da grandona acolhendo o pequenino com uma carinha de confusão rendeu milhares de likes e compartilhamentos.

O cangote tava tão gostoso que foi difícil para soltar o koala da Golden Retriever. Foto: Kerry McKinnon/Caters News

[ Veja também: Solidariedade entre pets. A história de Pelúcio ]

Como a surpresa se revelou

“Era bem cedo pela manhã quando meu marido gritou para eu dar uma olhada em uma coisa”, disse Kerry. “Não sabia do que ele estava falando, então vi esse pequeno Koala aconchegado em cima da Asha”, conclui ela.

Mãe de três filhos, Kerry admite que no momento não gostou do que viu até que… “Eu chorei de rir! Tadinha da Asha, ela olhava pra mim, imóvel, com um olhar confuso. Ela parecia se sentir um pouco culpada quando apareci. A expressão em seu rostinho foi hilária”, confessa Kerry.

“Asha ficava olhando para o Koala, mas em nenhum momento se incomodou ou tentou tirar o filhote de cima dela. Ela ficou feliz com o aconchego”.

Kerry e Asha. Ela ficou toda orgulhosa do feito da sua Golden Retriever. Foto: Kerry McKinnon/Caters News

Embora ninguém saiba exatamente como o Koala terminou com Asha, é provável que tenha sido subitamente separado de sua mãe, pois o bebê era claramente ainda muito jovem para se virar sozinho.

“Acho que o bebê Koala caiu da bolsa da mãe e não soube o que fazer. Ele teria acabado de andar até a varanda dos fundos, visto os cães em suas camas e então decidido deitar-se no pêlo de Asha, já que é agradável e quente”, sugere Kerry.

“Certamente Asha salvou a vida do ‘koalinha’, mantendo-o aquecido. Ele teria morrido se tivesse ficado sozinho lá fora a noite toda. Ou também ter sido capturado por uma raposa ou algum outro predador”.

Kerry ainda disse que não foi fácil separar os dois. O pequeno Koala fazia muito barulho quando ela tentou remove-lo das costas de Asha.

Ela disse que o filhote está bem de saúde após ter sido checado por um vet. Kerry agora busca como e onde deixar o Koala para que seja devolvido à natureza. “Eu acho que cães tem um instinto natural de proteção. O Koala não queria largar Asha!”, disse ela.

Fonte:
Weekly Times

Um casamento pet digno de capa de revista!

A marca Modernpet organizou uma verdadeira festa de casamento, mas para dois lindos pets! Confira o ensaio.

Festas de aniversário para o pet você já deve estar mais acostumada(o) a ver passar nas redes sociais, não é? E casamento pet, você já viu? Pois foi o que a marca Modernpet organizou em um dos lugares mais espetaculares de São Paulo: uma belíssima festa de “matrimônio pet” 🙂

O modelo Lucas Gois foi encarregado de levar os noivos ao "altar" :)
O modelo Lucas Gois foi encarregado de levar os noivos ao “altar” 🙂

[ Veja também: Estudo comprova – “cachorro também é gente” ]

Um casamento bom pra cachorro

A festa, fictícia, serviu para ilustrar o novo catálogo 19/20 da Modernpet. A ideia surgiu da marca e reuniu excelentes profissionais e cãezinhos influencers em um local digno dos mais belos eventos próximo da capital paulista.

  • Local escolhido: Monte Castelo Eventos
    Três belíssimos castelos estão sediados nos arredores de Mauá: Avalon, Rei Arthur e Excalibur. Os castelos Avalon e Rei Arthur foram utilizados para captura dos videos e imagens do evento.
  • Roupinhas e os alimentos pet: Padaria Pet
    Foram utilizados vestido, smoking e petiscos para ilustrar e valorizar o momento.
  • Modelos: Lucas Gois foi escolhido para conduzir os cãezinhos da Galharde Academy no castelo.
  • Decoração: Arte de Estimação
  • Groomers: Luiz Renato e William Galharde
    Luiz Renato atua em estética animal há mais de duas décadas e é proprietário do Centro de Estética Animal Grooming Time & Grooming Care. Luiz Renato é também titular do Groom Team Brasil e Vice-presidente da ABEA (Associação Brasileira de Estética Animal). William Galharde é membro da 5º Melhor Equipe de tosa do mundo em 2015 na Verbania (Itália) e membro da Seleção Brasileira de Tosa 2017/18 pela Groom Team Brasil.

Confira o ensaio realizado pela Modernpet

Até bolo e quitutes os noivos tiveram à disposição :)
Até bolo e quitutes os noivos tiveram à disposição 🙂
Os noivos esbanjam estilo com as coleiras e guias Modernpet
Os noivos esbanjam estilo com as coleiras e guias Modernpet
O casamento teve direito até a um dog (padre/pastor) para realizar a união! :D
O casamento teve direito até a um dog (padre/pastor) para realizar a união! 😀
Um "altar" lindo pra cachorro!
Um “altar” lindo pra cachorro!

Quero casar meu pet!

O espaço oferecido pela Monte Castelo Eventos é amplamente utilizado para eventos corporativos, festas de debutantes e casamentos… de humanos! 🙂 Não há registro de uma festa de casamento pet até o momento, mas por que não, não é?

Você pode já se preparar com as guias e coleiras Modernpet, agende o buffet com a Padaria Pet e reserve o espaço mais adequado ao seu desejo com a Monte Castelo Eventos.

Compartilhe conosco a sua experiência. Já havia visto uma festa de casamento pet? Você mesmo já organizou uma? Conte pra gente nos comentários!

Cachorros entendem O QUE falamos e COMO falamos!

Por muito tempo, donos de cães já acusam que seus cachorros entendem o que eles dizem. Agora a ciência comprovou!

Um novo estudo mostrou que cães usam o lado esquerdo do cérebro para processar o significado das palavras, enquanto o lado direito trabalha para entender o sentimento do que é dito. Exatamente como funciona na comunicação entre os humanos.

Isso significa que cachorros entendem o que seus donos estão querendo dizer. Não só com a palavra de ordem, mas também com o jeito como ela é dita.

Por exemplo, quando um cachorro está sendo elogiado, o centro de recompensas de seu cérebro é ativado SOMENTE se o elogio é feito de maneira carinhosa, ou seja, de maneira honesta. Se um tutor diz “bom garoto” de uma maneira fria, apática, o cachorro não vai captar o elogio como deveria.

Agora você pode imaginar por que o cachorro não para de lamber seu rosto enquanto você pede sorrindo para que pare.

Você fala “pare” mas demonstra para o cachorro que é para “não parar”. 🙂

Nós humanos adoramos falar com os cães, nós os chamamos por seus nomes, os elogiamos com carinho, repreendemos pelo que fazem de errado, mas ainda era pouco sabido como os cães interpretavam todas essas manifestações.

Pesquisador Dr. Attila Andics da Universidade de Budapeste, Hungria.

Muitas pessoas podem achar que a intonação do que dizemos aos cães pouco importam. A pesquisa procurou investigar exatamente o que se passa no cérebro dos cães nessas horas.

Os cães foram treinados para se deitarem imóveis. Eles ouviam ordens de seus treinadores, às vezes com palavras de elogio, mas não em entonação elogiosa. Foi-se então verificado as reações nas regiões do cérebro do animal.

Golden Retriever participante da pesquisa
Dr. Andics durante o experimento com um dos cães utilizados

Os resultados mostraram uma coisa muito interessante: cães se importam com O QUE dizemos, mas também em COMO dizemos. Esse mecanismo é muito semelhante a como nós humanos captamos e entendemos o que nos é dito. Os cães conseguem também separar o significado das palavras de suas entonações.

Dr. Attila Andics

Esse estudo é o primeiro desse tipo para investigar como cães processam a linguagem dos humanos.

Como a pesquisa se deu?

Os pesquisadores treinaram 13 cachorros para se deitarem imóveis em um scanner de ressonância magnética. Seus cérebros foram monitorados enquanto os treinadores diziam vários comandos como “muito bom!”, “isso garoto” entre outras sentenças positivas que eram ditas de maneira afetuosa e também em tom inadequado, apático.

Os cães ouviram elogios com intonação positiva e neutras e também sentenças sem sentido para eles, mas em intonação positiva e neutra.

Explica a estudante PhD Anna Gábor, uma das autoras do estudo
Alguns dos cachorros utilizados na pesquisa. Educadinhos, não? 😀

Foram analisadas áreas do cérebro dos cães que reagiram de maneira diferente entre as palavras com e sem sentido para os cães e também em entonações elogiosas e apáticas.

Dr. Andics sintetiza o experimento com a seguinte frase:
“A área do cérebro onde está o centro de recompensas do cão só é ativada quando as palavras de elogio são acompanhadas de entonação elogiosa, carinhosa.”

Então para os cães, eles não só distinguem o que é dito de como é dito, mas também combinam ambas condições para uma correta interpretação do que nós desejamos deles. Mais uma vez: com a gente também funciona assim! 🙂 Será que cachorro também é gente?

Um dos cachorros da pesquisa deitado no aparelho de ressonância magnética
Dr Andics e Anna Gábor durante os experimentos

A utilização de palavras para comunicação é uma invenção humana, mas acabamos de perceber nesse estudo que as conexões para processar seus significados não são necessariamente exclusividade humana.

Essa pesquisa foi publicada na revista Science.

Você tem cachorro? Já percebeu que ele entende suas ordens?
Compartilhe suas experiências conosco aqui!

Fonte:
Telegraph UK

15 Benefícios – provados – ao adotar um cachorro

Adotar um cachorro faz você ficar melhor fisicamente, mais resistente a alergias, desenvolve sua inteligência emocional… já está bom pra você? Pois é, tem mais, confira!

Passa hora ou passa um dia e tá lá você vendo manchete que diz que animais de estimação fazem bem pra sua saúde e blá blá blá. Só que de “blá, blá, blá” essas notícias não tem nada! Acompanhe aqui 15 benefícios bem legais – e cientificamente comprovados – para fazer você sair agora e adotar um cachorro pra você! 😉

Faz um bem danado ter um catioro

Em resumo, o que vemos na maior parte das pesquisas atuais disponíveis:

  • Cachorros beneficiam mais crianças e idosos;
  • Ter cães ajudam adultos a enfrentarem problemas psicológicos;
  • Por causa do estímulo para caminhadas, vários fatores de sua saúde são impactadas ao ter – responsavelmente – um cachorro.

Diante disso, veja mais especificamente os 15 benefícios – já provados pela ciência – em adotar um cachorro:

1. Melhora a comunicação em pessoas com deficiência de comunicação

Muitos estudos com pessoas portadoras de autismo mostraram que a interação com cães melhora suas maneiras de se comunicar. Junto da melhora da comunicação vem uma sensível melhora na interação social com outras pessoas.

Foi comprovado que a presença do cão encoraja as pessoas com autismo a se relacionarem. Isso porque o cachorro acaba se tornando o centro das atenções.

O amor honesto e despretensioso do cachorro seduz até a mais resistente criança.

2. Reduz sintomas de TEPT (Transtorno do Estresse Pós-Traumático)

São amplos os estudos que se concentram em verificar a capacidade que os cães tem em ajudar as pessoas com TEPT a lidar com ansiedade, desorientação e até depressão.

Há pesquisas que descobriram que a presença do cachorro traz benefícios fundamentais a soldados de guerra. Essas pesquisas se debruçaram nos benefícios trazidos por raças consideradas terapêuticas.

No entanto, cães ditos “não-terapêuticos” também trazem benefícios na redução do estresse e da ansiedade de pacientes diagnosticados com TEPT.

Um veterano de guerra disse que o cachorro ajudar a lembrar do “sentimento de amor”, que infelizmente o TEPT o tirou. Lembrar que ainda há bondade no mundo faz com que a sua atenção seja redirecionada, ajudando esse veterano de guerra a se manter equilibrado.

Jim Breakwood Jr é veterano de guerra junto de Amora. Veja a história deles aqui.

3. Maior compreensão de responsabilidade

Pode parecer estranho atribuir o senso de responsabilidade a um benefício de saúde, mas para muitas pessoas – principalmente crianças – a experiência aprendida cuidando de pets pode criar a base para grandes responsabilidades no futuro. Por exemplo, uma criança que reluta em escovar os dentes regularmente, pode ter demonstrada dessa importância ao ficar responsável por limpar os dentes do cãozinho.

Enquanto você limpa os dentes do seu cachorro, você pode usar o evento como oportunidade de ensinar seu filho do quanto importante é essa responsabilidade e por quê. O ensinamento pelo exemplo é mais poderoso. A criança vai entender da necessidade de escovar os próprios dentes. São diversos os cenários como o citado acima que ajudarão no senso de responsabilidade das crianças por meio do cuidado do pet.

4. Desenvolve empatia

Um estudo de 2017 mostrou que crianças (particularmente entre 7 e 12 anos) que tiveram um pet, eram mais respeitosas com animais e tinham mais compaixão. Esse benefício se estende na relação com outras crianças também, além de um incrível bem-estar que tanto os cachorros quanto as crianças sentem como resultado desse relacionamento.

O mesmo estudo ainda aponta uma correlação curiosa entre cães e crianças: há alguma habilidade nos doguinhos de auxiliar as crianças a equilibrarem suas emoções. Os cachorros tem o poder de influenciar e responder aos comportamentos e sentimentos das crianças. Um verdadeiro amigão!

É poderosa a influência de se ter um cachorro em casa

5. A presença de cães no trabalho diminui os níveis de estresse

Essa você já viu aqui. Se você é sortuda(o) o suficiente para poder compartilhar do espaço de trabalho com seu pet, os benefícios são vários! Desde evitar gastos extras com o cuidado do pet até a influência dele em diminuir seu estresse.

Em um estudo do International Journal of Workplace Health Management, foi apontado que a presença dos pets no local de trabalho influencia muito na satisfação do empregado. O ponto negativo fica para a possibilidade de distração, que influencia na produtividade. Então mais uma vez, esse é um jogo de equilíbrio que precisa ser observado.

6. Você é mais saudável e por mais tempo!

Adotar um cachorro faz com que você goze de mais saúde. Além dos exercícios físicos que a gente acaba se obrigando a fazer para oferecer qualidade de vida ao cão, há um benefício que parece controverso: os germes que os cães trazem para dentro de casa fortalece nossa imunidade.

Esse estudo mostra por que os cachorros deixam bebês mais saudáveis. A diversidade de germes nas casas de quem tem cães faz com que a saúde das pessoas que relacionam com os pets seja mais forte e por consequência, elas ficam doentes menos frequentemente que as outras pessoas.

7. Visitas médicas diminuem para os idosos

Os benefícios à saúde não ficam exclusivos às crianças. Idosos também podem se beneficiar muito ao adotar um cachorro. Em um estudo de 2017 do americano Journal of Personality and Social Psychology, foi descoberto que idosos que possuíam animais de estimação, e recebiam benefícios do Medicare, tinham menor probabilidade de fazer contato com os médicos em comparação a idosos que não tinham pets.

O mesmo estudo definiu que tanto cães quanto gatos foram benéficos aos idosos pesquisados.

8. Adotar cachorro faz você perder peso

Temos um post inteiro comentando a respeito desse benefício. Como resultado de uma pesquisa, observou-se que donos de cães que tinham por atividade passear com eles 5x por semana conseguiram perder 6,5kg ao fim de 12 meses de observação.

Ter cachorro deixa você saudável e emagrece! 🙂

9. Donos de cães tendem a viver mais

Depois de tantos benefícios para a saúde dos donos de cães, era de se esperar que pelo menos eles vivem mais do que quem não tem pets. Pois essa pesquisa provou que as pessoas que adotaram cães tem cerca de 35% menos chances de morrer de ataque cardíaco em comparação com quem não tem pet.

Se você adotou um cachorro, há também 28% menos chances de desenvolver derrame cerebral, de acordo com a pesquisa.

Vida longa a quem adota um cachorro!

10. Reduz incidência de asma em crianças

De acordo com Alan Beck, diretor do Centro Veterinário da Universidade de Purdue, bebês criados com animais de estimação tem menor probabilidade de desenvolver alergias e asma. Beck ainda observa que os maiores benefícios de ter um cão em casa para os bebês são antes mesmo dos seis meses de idade.

Para corroborar sua afirmação, Beck cita estudos que mostram que as crianças que vivem com cães ou gatos tem menos infecções de ouvido e resfriados durante o primeiro ano de vida em comparação com bebês que vivem em casas sem qualquer contato com pets.

Os benefícios em ter um cachorro e uma criança são notáveis!

11. Adotar um cachorro diminui sua pressão sanguínea

Como apontado, um dos maiores benefícios de se adotar um cachorro é na diminuição do risco de problemas cardíacos. Estudos confirmaram que a interação positiva entre homem-animal leva a uma diminuição da pressão sanguínea.

A diminuição da pressão sanguínea está associada a diminuição do risco de derrames, AVC e infartos.

12. Adotar um cachorro é a melhor medida natural para reduzir sua ansiedade

Largue já seus remédios e adote um cachorro! O curioso aqui é que uma preocupação natural de quem tem cães é a redução da ansiedade e do estresse nos cães, sendo que o oposto também ocorre: cães ajudam a diminuir ansiedade e estresse em seus donos.

Diversos estudos descobriram já que a interação positiva entre humanos e cães promove a diminuição do sentimento de ansiedade. Os responsáveis por isso são a diminuição dos glicocorticóides (hormônio que causa o estresse) e o aumento dos níveis de dopamina e ocitocina.

13. Adotar um cãozinho reduz sensações de dor

Em um estudo de 2003, intitulado “Neurophysiological correlates of affiliative behaviour between humans and dogs” descobriu que a interação positiva entre cães e pessoas (com duração entre 5 e 25min) resultou em aumento de beta-endorfina e ocitocina.

Esses hormônios desempenham papel importante em nossa capacidade de controlar a dor e também para nossos limites individuais de suportar dor. Um estudo mais antigo, de 1996, também apontou que os benefícios de ter um cachorro estão relacionados a diminuição de consumo de analgésicos.

Os pacientes do estudo eram menos dependentes de medicação para a dor durante a realização de terapias junto de animais de estimação.

Não vão faltar ENDORFINA e OCITOCINA pra deixar você mais feliz!

14. Donos de cães são mais felizes!

A relação aqui é de mão dupla: donos de cachorros são mais felizes e cães que tenham donos responsáveis e amorosos também vivem melhor. No mesmo estudo citado no item anterior, indicou que o hormônio da dopamina também é liberado em nosso cérebro após interação com nossos pets.

A dopamina é um neurotransmissor que desempanha papel fundamental para o sentimento de felicidade. Tanto é que, baixos níveis de dopamina são associados à depressão.

15. Cães ajudam a prevenir solidão social

Se você deseja melhorar sua comunicação e interação social, adote um cachorro. Um artigo escrito por psicólogos em 2015 descobriu que ter um cãozinho leva a maiores níveis de interação entre as pessoas.

Essa interação leva ao desenvolvimento de laços de amizade e crescimento de redes sociais (reais, não virtuais!). Como resultado, menos isolamento, menos solidão.


Essas 15 benefícios de se adotar um cachorro são apenas algumas das razões pelas quais amamos cães. Nós já compartilhamos aqui outros 13 benefícios de dormir com o cachorro, você viu?

Agora gostaríamos de saber de você. O que, pra você, é mais importante sentir ao ter um cãozinho?

Diga pra gente nos comentários abaixo.

Fonte:
Top Dog Tips

Solidariedade entre pets: a emocionante história de Pelúcio

Após 7 anos de vida normal, o gato Pelúcio desenvolveu uma grave doença auto-imune. Então a doação de sangue de outros quatro gatinhos salvou a sua vida!

Se você não tem filhos, ou nenhum pet, vai ter dificuldade de entender o poder do amor que sentimos por eles. Esse poder é tão grande, que é comum vermos donos de pets destinar tempo e grandes esforços para lhes oferecer a melhor qualidade de vida possível.

A história que vamos contar aqui, cruzou com o dia-a-dia na Petite Sofie por acaso. Após a aquisição de quatro caminhas Donut Truppy dos Bichos no site, a mamãe do Pelúcio, a gaúcha Márcia Donadio, nos disse que elas seriam presentes. Mas o que nos impressionou foi a razão dos presentes. Como a própria Márcia disse:

Essas quatro caminhas serão dadas de presente a quatro gatinhos que doaram sangue para a recuperação do meu Pelúcio, que passou por uma anemia violenta e a retirada do baço.

Márcia Donadio

[ Veja também: Gatificação – o que é e qual sua importância? ]


Pelúcio, ainda convalescendo do tratamento, mas todo confortável em sua caminha nova da Petite Sofie
Pelúcio, ainda convalescendo do tratamento, mas todo confortável em sua caminha nova da Petite Sofie

Uau!

O que aconteceu foi que Pelúcio lutou para sobreviver às sérias consequências de uma grave doença.

Márcia se desesperou ao ver Pelúcio muito magro, letárgico, pálido e medroso. Ela então o levou ao Centro Veterinário BLUT’S de Porto Alegre. Sob responsabilidade da dra. Luciana Lacerda, e com decisiva participação da especialista em clínica e cirurgia de felinos, dra. Gabriela Araújo, Pelúcio teve o diagnóstico: Anemia Hemolítica Imunomediada.

Os anjos da guarda aparecem quando menos esperamos

A transfusão de sangue era fundamental para salvar a vida de Pelúcio. Para encontrar os gatinhos compatíveis, foram criados apelos por meio das redes sociais.

Foi então que os anjinhos Nego, Fumaça, Quentin Allen e Yoshi apareceram. E foram fundamentais para a sobrevivência do Pelúcio. As transfusões ocorreram sem nenhuma intercorrência. Pelo contrário até, em uma das oportunidades o laboratório abriu as portas em um Domingo para que uma transfusão pudesse ser realizada.

Esses são os anjinhos do Pelúcio, já usufruindo dos presentes que a mamãe do Pelúcio, Márcia, lhes deu.
Esses são os anjinhos do Pelúcio. Aqui retratados já usufruindo dos presentes que a mamãe do Pelúcio, Márcia, lhes deu em agradecimento.

Hoje Pelúcio vem se recuperando desses momentos tão decisivos de sua vida com tranquilidade e amor incondicional da sua tutora, Márcia.

Por meio da dedicação e responsabilidade de Débora Pinto em cuidar de pets abandonados pela entidade Protetores Voluntários de Viamão, Pelúcio encontrou Márcia. E não apenas ele. Márcia adotou seus três gatinhos com a Débora. Um ato de amor que traz felicidade ao dia-a-dia de Márcia.

Adote você também um gatinho!

Seu pet pode ser doador!

No caso do Pelúcio, o Centro de Diagnósticos Veterinários BLUT’s foi chave importante para a identificação do problema e rápida solução com as transfusões dos quatro gatinhos.

O lindo trabalho realizado pelo centro gaúcho é também compartilhado por dezenas de outros parceiros que você pode conhecer pelo site Patinha Vermelha. Lá, você também pode cadastrar seu pet como doador de sangue e salvar outros “Pelúcios” Brasil afora. Seu pet deve cumprir com os seguintes requisitos:

  • CACHORROS:
  • Ter entre 1 e 7 anos;
  • Ter pelo menos 25kg;
  • Estar clinicamente saudável;
  • Realizar controle de ectoparasitas (pulgas, carrapatos e etc);
  • Realizar vermifugação periodicamente;
  • Vacinação deve estar em dia;
  • Ter temperamento dócil;
  • Não ter passado por procedimento cirúrgico recente (2 meses);
  • Fêmeas não podem estar gestantes.

  • GATOS:
  • Ter entre 1 e 8 anos;
  • Ter pelo menos 4,5 kg;
  • Estar clinicamente saudável;
  • Realizar controle de ectoparasitas (pulgas, carrapatos e etc);
  • Realizar vermifugação periodicamente;
  • Vacinação deve estar em dia;
  • Ter temperamento dócil;
  • Não ter passado por procedimento cirúrgico recente (2 meses);
  • Fêmeas não podem estar gestantes.

Buscando mais informações sobre a Anemia Hemolítica Imunomediada que Pelúcio acabou desenvolvendo, encontramos a história da Paula Abrahão, dê uma espiada, é outra história emocionante!

[ Veja também: Onicotomia – não faça isso com seu gato! ]

E você? Já passou por algum aperto com seu pet? Compartilhe conosco nos comentários abaixo:

Cães gostam mais quando você sorri, revela estudo

Você já se perguntou se seu cão percebe seu sorriso para ele? Você acha que eles reconhecem o sorriso como expressão de felicidade? Será que nossos cães estão conscientes de que nosso sorriso para eles é bom sinal?

De acordo com um estudo da Universidade Nacional do México, cães podem sim ler nossas emoções claramente. E mais, eles amam quando percebem nossos sorrisos a eles. Estudos anteriores atestaram o reconhecimento dos cães para nossas vozes, agora sabe-se também que reconhecem nossas expressões.

Especialistas descobriram há muito tempo que os cachorros reconhecem as emoções humanas. Eles também podem distinguir entre expressões boas e ruins, então ajustar seu comportamento de acordo com o que os donos estão sentindo.

Mas que mecanismos neurais estão em jogo quando isso acontece nos cachorros? O que controla suas capacidades de reconhecer os sentimentos de seus donos?

Identificando os padrões de felicidade para os cães

Para o estudo, os pesquisadores ensinaram oito cães, Border Collies em sua maioria, a se deitar em um scanner de ressonância magnética para obterem leitura adequada (você viu essa técnica ser utilizada no post “Cachorro também é gente”).

Foram exibidos aos pets fotos de diferentes pessoas com expressões distintas. Elas iam do sorriso, a expressões de tristeza e raiva.

As áreas dos círculos representam a área de interesse fixada pelo cão. As linhas traçam o caminho que o cachorro fez com o olhar na imagem. Créditos da Foto: Langner et al.

A atividade cerebral dos cães aumentou na região de seu córtex temporal e nas áreas caudais depois de serem apresentadas fotos de pessoas sorrindo. O córtex temporal é a parte do cérebro que processa informações. Já as áreas caudais envolvem neurônios que são ativados quando o cão é incentivado a aprender ou é recompensado.

As reações dos cães fizeram os pesquisadores concluírem que cachorros podem identificar as diferenças entre as expressões no rosto de um ser humano. E mais, entender quando ele está feliz! As atividades cerebrais obtidas foram tão intensas, depois das fotos com pessoas sorrindo, que os pesquisadores acenaram animados com a possibilidade de criação de tecnologias de machine learning para ajudar na comunicação entre humanos e pets.

A chave é a ocitocina: o hormônio do amor

Esse não é o primeiro estudo que conclui que cães podem sentir o carinho e o amor de seus donos por eles. Em uma outra pesquisa publicada pela revista Frontiers of Psychology, apresentou-se que o nível de ocitocina de um cão aumenta em até 130% quando recebe um abraço, um beijo ou um carinho do seu dono.

A ocitocina também é conhecida como o hormônio do amor. Por meio dela que se constroem os vínculos entre os seres humanos e é mais evidente entre mãe e filho recém-nascido. Aparentemente esse é o hormônio que também fortalece os laços entre as pessoas e os pets. Quando você abraça ou beija seu cachorro, o seu nível de ocitocina se eleva para até 300%!

O mesmo estudo também concluiu que cães respondem melhor a rostos carinhosos e felizes do que para semblantes irritados. A pesquisa determinou também que o aumento do hormônio do amor (ocitocina) nos cães, aumenta a confiança em seus donos.

Os especialistas também rastrearam o movimento dos olhos dos cães e as atividades de suas pupilas para determinar suas resposta a emoções positivas e negativas. Quando um cachorro se sentia desconfortável ou amedrontado, suas pupilas dilataram enquanto o oposto ocorreu quando foram apresentados rostos de pessoas felizes.

Nossa felicidade, expressa em nosso rosto, pode ser sentido e entendido pelos cães

A inteligência dos cães

Cachorros são excelentes em captar as pistas deixadas pelos humanos ao seu redor. Mas é impressionante que, até mesmo com fotos, eles conseguem distinguir as emoções humanas muito bem.

Como a pesquisa indicou, os cães não são apenas espertos para aprenderem truques. Eles tem também inteligência emocional que os tornam os melhores companheiros para as pessoas que os pets de outras espécies.

Agora que você sabe sobre o poder do seu sorriso para seu cachoro, use isso para qualquer treinamento ou condicionamento comportamental que você deseja ensiná-lo. Os cães ficam mais envolvidos se você demonstrar felicidade. 😉

E aí na sua casa, após saber do poder do sorriso, você percebeu as reações do seu cachorro? Conte pra gente aqui nos comentários.

Fonte:
Top Dog Tips