Guia completo: Calendário de vacinação para filhotes (cachorros até 1 ano)

Depois de trazer aquele bebê fofo peludo pra casa, você já deve saber que ele vai depender de você, bom, pra tudo! Os primeiros cuidados, a escolha da ração, atenção, brincadeiras e brinquedos seguros… enfim, um lar confortável e adequado para seu cachorro filhote. Isso também inclui atenção ao calendário de vacinação do cachorro no seu primeiro ano de vida.

Quais vacinas os filhotes de cachorro precisam?

Pode parecer um pouco inconveniente ir ao veterinário por tantas vezes nos primeiros meses de vida do seu cachorro. Mas as doenças, das quais as vacinas os vão proteger seu filhote, muitas vezes podem ser perigosas e fatais.

Acabamos lendo tanto sobre vacinas e doenças diferentes para os cachorrinhos, que às vezes podemos cair em confusão sobre quais são importantes, mas opcionais. Confira na sequência então uma visão geral das doenças cujas vacinas ajudarão seu pet a evitar.

Cronograma de vacinação de filhotes

É importante deixar já esclarecido que não existe apenas um esquema de vacinação para todos os cães. Fatores geográficos e de risco individual do pet devem ser considerados. Alguns cachorros precisam de todas as vacinas. Mas essa é uma decisão que você toma junto de seu veterinário.

Uma vez isso colocado, segue uma diretriz geralmente aceita para vacinar seu cachorro dentro do primeiro ano de vida dele:

[table id=22 /]

Sem = Semanas
* O adenovírus canino tipo 2 (CAV-2), respiratório, confere proteção cruzada contra o adenovírus canino tipo 1, causador da hepatite infecciosa canina ** conforme legislação vigente


[ Veja também: Como combater a ansiedade nos cães ]

Vacinar seu cachorro é um ato de amor e responsabilidade

Bordetella Bronchiseptica

A infecção pela bordetella bronchiseptica causa ataques graves de tosse, convulsão, vômito e, em casos raros, a morte. É a principal causa da chamada “tosse do canil”. Existem vacinas injetáveis e spray nasal para tratamento da doença.

Importante ficar alerta se você:

Situações como as descritas podem exigir a vacinação contra a bordetella bronchiseptica.

Tosse de canil

Também conhecida como traqueobronquite infecciosa, a tosse do canil resulta da inflamação das vias aéreas superiores. Pode ser causada por infecções bacterianas, virais ou outras, como Bordetella, citada acima, e parainfluenza canina. Geralmente ela envolve várias infecções simultaneamente. A doença é leve, causa crises de tosse seca e forte no cachorro. Às vezes é grave o suficiente para provocar náuseas e engasgos, junto com uma perda de apetite. Em casos raros, pode ser mortal. É facilmente disseminado entre cães mantidos juntos, razão pela qual passa rapidamente pelos canis. Os antibióticos geralmente não são necessários, exceto em casos crônicos graves. Supressores de tosse podem deixar um cão mais confortável.

Cinomose canina (CDV)

Essa é uma doença grave e contagiosa causada por um vírus. Ele ataca sistemas respiratório, gastrointestinal e nervoso nos cães. A cinomose se espalha pelo ar, quando seu filhote entra em contato com o vírus por meio de tosse/espirro de animal infectado. Outra maneira de transmissão se dá por meio de comedouros/bebedouros compartilhados.

Causa no cachorro secreções nos olhos e nariz, febre, tosse, vômito, diarreia, convulsões, espasmos, paralisia e muitas vezes, a morte. Essa doença costuma ser identificada rapidamente com o endurecimento das “almofadinhas” das patas dos cães.

Infelizmente não há cura para a cinomose. O tratamento consiste em cuidados frequentes de suporte a esforços, para prevenir infecções secundárias e controle de vômitos e convulsões. Se o cachorrinho sobreviver aos sintomas, espera-se que o seu próprio sistema imunológico lide com a doença, mas cães infectados podem espalhar o vírus por meses.


[ Veja também: Campanha reinvidica que pets viajem nas cabines com os donos ]

Hepatite canina

A hepatite infecciosa canina é uma infecção viral altamente contagiosa que afeta fígado, rins, baço, pulmões e olhos do cachorro afetado. A hepatite canina é causada por vírus que não tem qualquer relação com a forma humana da doença.

Os sintomas variam entre uma febre ligeira e congestão das mucosas a vômitos, icterícia e dores abdominais. Muitos cães podem superar a forma leve da doença, mas se grave, ela pode matar. Não há cura, mas os veterinários podem tratar dos sintomas.

Coronavírus canino

O coronavírus canino não é o mesmo vírus que causa COVID-19 nas pessoas. O “nosso” COVID-19 não é considerado ameaça à saúde dos cães e, até o momento, não há evidências de que os deixe doentes.

Já o coronavírus canino afeta geralmente o sistema gastrointestinal dos cachorros, embora possa também causar infecções respiratórias. Os sinais da doença podem ser perda de apetite, vômitos e diarreia. Não há cura para o coronavírus canino, mas com boa hidratação, conforto e cuidado, pode-se ajudar o pet na diminuição das náuseas.

Dirofilariose em cães

Quando seu cachorro estiver entre 12 e 16 semanas de vida, converse com seu veterinário para iniciar preventivo contra a dirofilariose. Mesmo ainda sem vacina para essa doença, ela pode ser prevenida com medicação regular.

A dirofilariose é consequência de vermes que se alojam no lado direito do coração e nas artérias pulmonares. Embora possam aparecer pelo resto do corpo do animal, às vezes podem aparecer em fígado e rins. Os vermes chegam a 35cm e, se agrupados, bloqueiam circulação e ferem os órgãos.

A doença em estágio inicial pode não apresentar sintomas, mas em cães com estágios avançados podem tossir, ficar letárgicos, perderem apetite e até ter dificuldades para respirar. Cachorros doentes podem apresentar cansaço após exercícios leves. Diferente da maioria das doenças apresentadas neste guia, a dirofilariose é transmitida por mosquitos. Dessa forma, o diagnóstico é feito por exame de sangue e não por exame fecal do animal.

Leptospirose

Ao contrário da maioria das doenças desta lista, a leptospirose é causada por bactérias e pode ser encontrada em todo lugar, seja no solo seja na água. Ela é uma doença zoonótica, ou seja, pode ser transmitida de animais para pessoas. Alguns cães podem não apresentar sintomas, mas quando aparecem, incluem febre, vômito, dor abdominal, diarreia, perda de apetite, fraqueza severa e letargia. Os cães também podem sofrer com infertilidade e insuficiência renal, junto ou não, de insuficiência hepática.

Antibióticos são eficazes, então quanto mais cedo administrados, melhor para recuperação do cachorro.

Doença de Lyme

Conhecida também por borreliose canina, a Doença de Lyme não apresenta sintomas reveladores nos cães. Essa é uma doença infecciosa transmitida por carrapatos e causada por um tipo de bactéria chamada espiroqueta. O cachorro infectado geralmente começa a mancar, seus gânglios linfáticos aumentam, sua temperatura aumenta e ele para de comer.

A doença pode acometer coração, rins e articulações, entre outros órgãos e levar a distúrbios neurológicos caso não tratada. Se diagnosticada rapidamente, um curso de antibióticos é extremamente útil, embora as recaídas possam ocorrer meses – ou até anos – depois.

Parvovírus

A parvovirose canina pode afetar todos os cães, mas cachorros não vacinados com menos de 4 meses de idade correm risco maior em contrair a doença. O vírus ataca o sistema gastrointestinal e provoca perda de apetite, vômito, febre e de maneira mais marcante, diarreia intensa com sangue. A desidratação extrema pode matar rapidamente um cachorro dentro de 48h, então a atenção deve ser imediata à identificação dos sintomas. Não há cura para a doença, então é preciso manter o cachorro muito hidratado e manter atenção e controle a sintomas secundários. O próprio sistema imunológico do pet bem assistido vencerá a doença.

Raiva

A raiva é uma doença viral que invade o sistema nervoso central do cachorro. Ela causa dor de cabeça, ansiedade, alucinações, medo de água, paralisia e a mais notável característica sintomática da doença: salivação excessiva do animal. A doença é transmitida através da mordida de um animal infectado.

É fundamental que o tratamento seja iniciado em poucas horas após a infecção, senão o risco de morte é bastante provável. A vacina antirrábica é essencial ao seu cachorro. Ela é administrada em dose única após 12 meses de vida do pet.

Atenção para o calendário vacinal de seu cachorro. Prevenir é mais barato que remediar e evita sofrimentos.

Vacinas para cães adultos

As opiniões sobre vacinação do cão adulto todos os anos são controversas. Alguns veterinários acham que a aplicação de muitas vacinas em cachorros já adultos podem representar até risco à saúde deles. Outro discordam, dizendo que as vacinações anuais são o que mantém o cachorro longe de doenças perigosas como a cinomose. Converse com o seu veterinário para entender qual protocolo de vacinação será melhor pra você e seu cachorrinho.

Alguns tutores preferem testes de titulação antes de optar por vacinas anuais. Os testes de titulação conferem os níveis de imunidade do cachorro. Isso pode determinar quais vacinas são necessárias. Exceção importante: vacina contra a raiva.


E você sabe, todo cuidado vale a pena. Seu cachorro vai lhe retribuir com todo esse amor que você já conhece ao longo de toda sua vida. O primeiro ano de sua vida é mais crítico, mas também uma época muito divertida e emocionante para vocês dois. Ao passo que seu doguinho cresce, um maravilhoso vínculo de amor também vai crescer e se fortalecer.


Compartilhe conosco nos comentários abaixo sua experiência com seu cachorro.
Esperamos que as informações acima lhe ajudem! 🙂

Fonte:
AKC.org

Autor: Petite Sofie

Adora qualidade em tudo! Uma viagem de qualidade, uma bolsa de qualidade, produtos para pet e também atendimento de qualidade :) Oi, sou a Petite Sofie!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *