Conforto

5 Dicas de arquitetura e decoração para quem tem pets

A paixão do brasileiro por pets é notória. A grande mídia tem explorado o assunto com frequência e recorrência nos últimos anos, comparando até a escolha de jovens casais por animais de estimação em vez de filhos. Isso é repercussão de um dado estatístico. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 50 milhões de cachorros e 22 milhões de gatos vivem com os brasileiros.

A Revista Habitare convidou as arquitetas Daniele Okuhara e Beatriz Ottaiano, da Doob Arquitetura, e Ana Yoshida, do escritório Ana Yoshida Arquitetura e Interiores, para compartilharem essas 5 dicas que vão deixar a casa bonita e harmônica entre pets e seus donos.

Projeto da Ana Yoshida | Foto: Evelyn Müller

1. Adaptação e segurança

Nossos bichinhos são mais parecidos conosco do que imaginamos. Os locais para dormir devem ser separados dos locais para alimentação e principalmente dos banheiros. Evite que o espaço onde o pet se alimenta fique próximo de onde ele vai fazer as necessidades, por exemplo. Esses mesmos locais, no entanto, são importantes que estejam em locais com pisos laváveis para facilitar a higiene. Perfeito para a base das tigelas, e evitar que a sujeira no local se espalhe, é o jogo americano pet.

A arquitetura e a decoração devem levar em consideração os espaços que os pets utilizam para:

  • Descanso
  • Alimentação
  • Necessidades fisiológicas
  • Entretenimento e brincadeiras

Facilitação ao acesso às áreas, telas de proteção em caso de donos de gatos que moram em apartamentos. Cercados, rampas, escadas e portões para o caso de tutores de cães

Projeto da doob arquitetura | Foto: Júlia Ribeiro

2. Piso certo

A escolha do revestimento para o chão deve prezar a praticidade. O ambiente onde o pet circula acaba demandando maior frequência de limpeza.

“Se um cliente tem interesse em piso de madeira, sugerimos repensar a escolha, já que o material sofre com arranhões, se deteriora com a acidez de acidentes com xixi e limita a limpeza, já que não podem ser lavados diretamente”

Explica Beatriz Ottaiano

O mesmo acontece com o piso laminado, que não resiste e se deteriora com a umidade.

Entre as opções disponíveis no mercado, o porcelanato é o tipo mais indicado. Tem grande variedade de estilos para servir à decoração – marmorizados, amadeirados, os que imitam concreto entre outros, e podem ser limpos com facilidade.

“Se você não gosta da frieza do porcelanato, há opções de piso vinílico que, embora não possa ser lavado com água abundante, apresenta boa resistência à umidade”

Relata Beatriz
Projeto da doob arquitetura | Foto: Júlia Ribeiro

3. Revestimento das paredes

É natural dos cães “marcar” território quando ainda estão em fase de aprendizagem. Gatos gostam de se esfregar nas paredes, principalmente em quinas. Enquanto a urina pode manchar a parede, ao longo do tempo, a “esfregação” dos felinos costuma deixar marcas.

Você poderá encontrar diversas opções de tintas acrílicas laváveis no mercado. São excelentes sugestões para a manutenção da beleza e, claro, facilidade da faxina. Em relação às cores, as mais escuras ajudam a disfarçar a sujeira, mas se a opção for por papéis de parede, os modelos em vinil podem ter sua higienização facilmente realizadas com um pano úmido.

Projeto da doob arquitetura | Foto: Júlia Ribeiro

4. Móveis e decoração

Cães, principalmente quando muito jovens, não tem a menor noção de cuidar dos móveis e decoração da casa. Pés de móveis em madeira podem sofrer no início da vida dos cães. O desenvolvimento da dentição faz com que o filhote precise de algo pra roer. Considere imediatamente brinquedos mordedores para tirar a atenção do seu bebê peludo dos móveis, sapatos e chinelos.

Uma forma de amenizar o risco é optar por móveis com pezinhos em metal.

O comportamento extrovertido demais dos cães podem terminar em acidentes. Além do dano à decoração, há o risco de acidentes com o próprio pet. Dessa maneira, o aconselhável é ter estantes fechadas. Já para o caso de felinos pela casa, a marcenaria pode ser pensada para proporcionar algum grau de dificuldade na escalada que os bichanos adoram fazer.

As arquitetas da Doob Arquitetura sugerem optar por cadeiras à base de polipropileno ou polietileno. Elas são mais fáceis para a limpeza.

“Se optamos por cadeiras de madeira revestida de tecido, sempre sugerimos preferir por fibras sintéticas às naturais em linho e algodão”

Explica Beatriz

Considere também a impermeabilização de cadieras e sofás, ou mesmo a blindagem do tecido para de alguma forma driblar qualquer imprevisto com os pets.

Para donos de gatos, as tramas fechadas são mais indicadas para que as garras não estraguem os tecidos. Danielle sugere trama em poliéster e algodão impenetrável. Tecidos impermeáveis tem ótima relação de custo/benefício e são mais fáceis de higienizar.

Tendência na decoração, a lona de caminhão pode ser uma ótima solução, tanto quando o tecido waterblock.

Completando a decoração, cortinas de linho ou voil devem ser evitadas, já que desfiam com muita facilidade. Se você desejar durabilidade, persianas de rolo são indicadas. Para os tapetes, a indicação é escolher modelos produzidos com fibras sintéticas de vinil e poliéster. São laváveis e apresentam a trama completamente fechada.

Projeto Ana Yoshida | Foto: Fotos Luís Simione

5. Sofás e casinhas para os pets

Quando falamos em casinha para cachorro, lembramos de pronto aquelas estruturas feitas para cães grandes viverem fora do ambiente de circulação das pessoas, certo? Pois bem, com a evolução da tecnologia e também da mudança de nosso comportamento – cada vez mais moramos em apartamentos e o pet agora está dentro de nossa casa -. as marcas adaptaram suas criações de casinhas para pets.

Casinha para cachorros pequenos Crooked Carlu Pet
Casinha Crooked Carlu. Design autêntico e linhas orgânicas combinam com espaços de cores quentes.

Casinha para cachorro na área externa

Para quem tem área externa e cachorro grande, construir uma casinha é excelente alternativa. Um bom material para essa solução é o pistão, que permite limpeza fácil e também circulação de ar para o animal.

Já para apartamentos que tenham espaço adequado, há casinhas indicadas a cães pequenos que, além de serem duráveis, tem design requintado que pode ir ao encontro do estilo da decoração da sala.

Lupin exibe Kit Conceito Tomtom Petite Sofie
O combo conceito Sofá e almofadinhas Tomtom se ajusta a ambientes cleans P/B

Cachorro também pode ter sofá!

Uma novidade do mercado pet que tem chegado com muito destaque é o mobiliário pet. Sofás, camas com cabeceira e arranhadores com estrutura firme em MDF, para os gatos, são sugestões lindas e harmônicas ao ambiente das salas. A facilidade com a limpeza e a durabilidade são pontos que elevam muito o benefício em escolher um sofá para seu cachorro.

Cama com cabeceira Tomtom Pet. Personalize a cor dos pezinhos: exclusividade Petite Sofie
Caminha com cabeceira para cães Tomtom. Personalize a cor dos pezinhos.

Fonte:
Revista Habitare
E-Interiores

Você pode gostar também!

Sem comentarios

Deixe um comentario

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.