Cães sabem que é um cão quando veem um cão?

21:26 0 Comments

Antes de qualquer coisa: essa não é uma questão filosófica.
Apesar das grandes diferenças físicas entre as raças, cães conseguem reconhecer uns aos outros apenas pela visão.
"Vejo cães"
"Com que frequência?"
"Em todo lugar!"
Meus ouvidos já se animam ao ouvir o tilintar de metais na esperança de ser um cachorrinho com sua coleira batendo medalhas de identificação. E então... é apenas uma pessoa com as chaves penduradas no bolso (ah, que decepção).

Uma pessoa que anda na rua com o braço estendido me mantém na esperança de ver uma coleira sendo segurada, e um cachorro no fim da sua extremidade (às vezes é um carrinho de bebê, fazer o que...).

De longe, meus olhos me pregam peça, então sacos de compras se tornam cães e cães se tornam sacolas até chegar mais perto e eu perceber o que é (mas sempre torcendo para que seja um cão).

Meu lema é: "tudo é cachorro, até que se prove o contrário". ;)
Mas e quanto aos cães, como será que é?

Apesar das grandes diferenças físicas entre as raças, cães se reconhecem apenas pela visão.

Será que um cachorro sabe, apenas ao ver, que se aproxima outro amistoso cãozinho? 

Antes de responder, lembre-se disso: Canis familiaris é a espécie menos uniforme do planeta. Os animais dessa espécie são de uma ampla gama de formas e tamanhos corporais. Do mais pequenininho toy nenê, ao mais gigantesco cachorrão. Adultos dessa espécie se enquadram em vários pequenos "pacotes". Existem os musculosos "halterofilistas", às magricelas bailarinas, os estilos "cachorro-quente" entre vários outros.
Será que um Pug, ao olhar para um Galgo Afegão (Afghan Hound) ele solta:
"Oi cachorro!"?

Ou seria algo mais do tipo:
"Que p*&#  é você?" e então só depois de dar uma cheirada clássica "Hola que tal?" é que o Pug vai pensar: "ah, meu Deus, que tolo. Você é um cachorro! Desculpe minha confusão, minha compatriota nariguda".

Um bom número de pesquisadores tem buscado saber essencialmente o que pensa um "Pug" frente a um "Galgo Afegão", como no exemplo. Seriam os cães capazes de identificar outros cães apenas pela aparência - eles imaginaram. Se pistas olfativas são tiradas da equação, um cachorro ainda saberia que outro cachorro é um cachorro?

Pesquisa na França

Um time de pesquisadores franceses assumiu a tarefa e publicou o que descobriram no artigo Animal Cognition de 2013. Nove cães de companhia foram objetos de estudo. Todos eles tiveram treinamento básico e grande experiência de relacionamento com pessoas e também outros cães e claro, notadamente todos os participantes eram completamente diferentes fisicamente entre eles. Dois tinham raça pura (Border Collie e Labrador), os outros eram vira-lata.

Veja abaixo todos os lindos representantes do estudo. Eu votei em Cusco para o prêmio de Olhos e Orelhas Mais Alinhadas, enquanto Babel, Cyane e Sweet empataram para o prêmio de Mais Fotogênicos :)

A trupe dos pesquisados

Como a pesquisa funcionou

A configuração da experiência foi bastante simples: os nove indivíduos viam duas telas. Uma à direita e outra à esquerda com uma divisória entre elas. Em cada tela, duas imagens apareciam simultaneamente e os cães eram incentivados por um click (de adestramento) e um petisco a escolher a tela "certa", se aproximando dela - já conto mais detalhes. Veja como funcionou o esquema abaixo:

Estrutura do esquema da pesquisa.

Para saber se os cães podiam identificar outros cães baseados apenas na aparência, os pesquisadores primeiro criaram uma "linguagem comum" entre eles e os cães. Fizeram isso com o auxílio de três sessões de treinamento onde os cães pesquisados recebiam um petisco e um agrado se eles se aproximassem da tela com a imagem de um cachorro nela.

Importante: a mesma imagem do cão foi utilizada em todas as sessões de treinamento. Durante a fase de treinos, a outra tela permaneceu desligada, ou aparecia completamente azul ou com a imagem de uma vaca. Os cães não eram premiados se se aproximassem da tela sem a imagem do cachorro. E assim criou-se a "linguagem comum": você vai ser recompensado se se aproximar da tela com a imagem do cachorro, somente.

Era considerado sucesso quando os cães se aproximavam de 10 a 12 vezes consecutivas em cada treinamento. Assim evitou-se que o cão pesquisado acertasse o exercício apenas "por sorte". Todos os nove cães pesquisados foram capazes. A "linguagem comum" estava determinada.

Imagem da sessão de treinamento.
Veio então o teste. Foram apresentados aos cães uma imensa variedade de rostos-nunca-antes-vistos de cachorros em uma tela, e na outra uma série de rostos-nunca-antes-vistos de outros animais - como a vaca utilizada no treino.

Como haviam treinado, eles deveriam se aproximar da tela com imagem de cachorro e evitar a outra tela para receber o petisco. Essa agora já não era uma tarefa fácil. As imagens mostravam cães morfologicamente diversos na forma, cores, tamanhos, desenho da cabeça, posição das orelhas... e assim por diante.

Pra ficar ainda mais difícil, as imagens de cães eram emparelhadas a uma variedade grande de rostos diferentes de cachorros, incluindo rostos humanos, gatos, cabras, coelhos, répteis, pássaros entre vários outros. Os rostos eram exibidos frontalmente ou de perfil. Veja abaixo alguns exemplos de como as imagens foram exibidas.

As imagens trouxeram rostos frontais (facial), perfil (profile) e 3/4.

E os cães pesquisados acertaram!

Todos os nove cachorros da pesquisa acertaram as telas que exibiam CÃES e evitaram as telas que exibiam "NÃO-CÃES". Alguns como Babel, Bag, Cyane e Vodka, foram capazes de identificar tão rapidamente que precisaram de poucas sessões para identificar entre 10 e 12 imagens de cães consecutivas.

Outros como Bahia e Cusco, foram mais lentos ao escolher e precisaram de mais sessões para distinguir os cães dos "não-cães".

Foram utilizadas de 2 a 13 sessões para que os cães pesquisados cumprissem o critério de 10 a 12 identificações seguidas (sem errar) dos cachorros na tela.

Claro que isso não quer dizer que Bahia e Cusco não reconhecem um cão quando o veem um. Os pesquisadores enfatizaram que um número de fatores - como a personalidade do cão, estilos de aprendizagem e estratégia e também motivação - podem afetar o comportamento deles, e entãu sua performance, durante um teste como o explicado.

Mesmo assim, o estudo sugere que, apesar das aparências muito diferentes, cães conseguem identificar outros cachorros apenas ao vê-los. Eles parecem ter ao menos um senso distinção entre quem se encaixa na categoria "esse é cachorro" e quem não. Exatamente quais parâmetros os cães usam para saber, o estudo não conseguiu alcançar. Os pesquisadores afirmam que esse seria um próximo passo - natural - da pesquisa.


A pesquisa original está aqui:
Autier-Dérian D, Deputte BL, Chalvet-Monfray K, Coulon M, Mounier L. 2013. Visual discrimination of species in dogs (Canis familiaris)Animal Cognition, 16, 637—651. 

Tem gente que já fez o teste em casa! :)



Fonte:
Blog Scientific American



5 Dicas de como melhorar o comportamento de seu gato

11:29 0 Comments

Contrário à crença popular, gatos são treináveis sim! Você pode ensinar comportamentos úteis e também truques.

Existem - claro - diferenças entre treinar um gato e um cão. Gatos não são tão suscetíveis por motivações como os cães são. Devido à sua independência natural, os gatos também são menos propícios a colaborar em parceria com os humanos. Mas com métodos adequados, e um pouco de criatividade da sua parte, seu gato poderá surpreendê-lo com as coisas que pode aprender.




Diferente do que a maioria das pessoas pensam, gatos podem ser treinados!



Lembre-se: da mesma forma que acontece com os cães, gatos só responderão a treinamentos com reforço positivo. Nunca sob punições.

Os gatos vão mudar de comportamento sob recompensa positiva. Punição e dominação além de não serem métodos saudáveis, não são nada efetivos. A punição gera estresse, e o estresse é uma das causas mais comuns de problemas de comportamento em gatos, como evacuação fora da caixa de areia ou higiene compulsiva.

1. O melhor reforço que você pode usar são petiscos - mas não qualquer petisco

5 dicas de como treinar seu gatoJane Harrell, colaboradora do site Petfinder e produtora de gatos há muitos anos afirma: "Eles não vão obedecer por qualquer petisco. Eles vão preferir sempre petiscos moles, pegajosos e até fedidos." E Jane está certa. Muitos gatos precisam de algo especial para motivá-los. Isso significa que você vai ter que identificar antes o que seu gatinho mais adora. Então usar como "isca motivadora".

Quer uma dica? Frangos em cubinhos, peru, atum com baixo teor de sal, comida para bebê e petiscos comerciais e específicos para gatos devem funcionar, mas é importante você identificar o que o seu gato ama.




5 dicas de como treinar seu gato 2. Acostume seu gato a receber recompensa quando atender com comportamento positivo

Comece com um simples ensinamento para mostrar ao felino que "coisas boas acontecem" durante as sessões de treinamento. Ele não vai se esquecer.




3. A hora da prática

Pratique, pratique e pratique... mas não muito! Repetir o processo várias vezes fará com que seu gatinho aprenda. Ele vai entender por quê está sendo recompensado.

Você não vai querer esgotar seu gato ou chegar ao ponto de incomodá-lo. Mas você precisa entender que o felino tem que associar a relação entre o comportamento que você deseja e a recompensa, bem como o comando relacionado a esse comportamento.

Carinho demais não faz mal não! ;)


4. Use um "clicker" para reforçar o timing

É muito importante para o gato ser recompensado assim que ele executa a ação desejada. Mas para muita gente deve ser difícil entender o momento certo de dar as recompensas, os petiscos. Um "clicker" pode ajudar com esse timing. O felino vai começar a associar o som do clicker com que algo que ele acabou de fazer foi positivo.

O Clicker é excelente apoio para o ensinamento do seu gato


Para ensinar seu gatinho a "entender" o clicker, sempre dê o petisco logo após o click. Sem requisitar qualquer ação. Depois de algumas vezes, o gato aprende que o som do clicker significa que "coisas boas estão a caminho" :)

Eventualmente, o som do clicker e um carinho já serão a recompensa. E então agora você tem um aliado no adestramento do seu gato.

5. Uma vez que seu gato aprendeu um truque. Passe para outros!

Depois de as introduções do clicker e dos petiscos, você poderá ensinar comandos simples ao gato como "sente", "fique" e "venha". Mas fique à vontade em ser criativo. Talvez você deseja que seu gato se comporte ao passear com guia e coleira. Por que não? ;)

Se você tem paciência, tem seguido as dicas com consistência e disposição, e mesmo assim está tendo muita dificuldade em ensinar seu gatinho, contate um profissional da área. Mas certifique-se que o treinador seja especialista de gatos. E claro, que seja adepto do método de reforço positivo!

Qualidade e amor para o relacionamento com seu gato! S2


Deseja "equipar" seu felino? Conheça os produtos para gatos na Petite Sofie.


Fonte: PetFinder: How to Teach Cat Tricks


Como treinar seu cão utilizando sinais manuais

11:56 0 Comments

Muitos adestradores e donos de cães promovem seus treinos utilizando simples sinais manuais. Às vezes, é possível utilizá-los sem comandos de voz.

Mas o que são os sinais manuais?

É simplesmente utilizar a linguagem de sinais com as mãos para sinalizar seu cachorro a fazer o que você desejar como sentar, deitar etc. Existem sinais padrão reconhecidos pela maioria dos treinadores, mas você pode também criar os seus próprios.
Como treinar seu cão utilizando sinais com as mãos
Uma boa relação com seu cãozinho começa com um bom adestramento.

Por que utilizar sinais manuais?

Existem algumas razões para você escolher usar sinais com as mãos para o seu cãozinho, como por exemplo:
  •  Cães são excelentes em fazer leitura corporal.
    Na realidade, acham até mesmo mais fácil identificar o que as pessoas dizem com seus corpos do que com a linguagem falada.
  • Alternativa para cães surdos ou com grande dificuldade de audição.
    Usar sinais com as mãos permite aos donos de cães surdos, treina-los normalmente como qualquer outro cão.
  • Excelente para eventos de obediência ou competições.
    Em diversos casos, a linguagem por sinais manuais são mais fáceis de usar ou necessárias quando você está envolvido em esportes competitivos.
  • E por fim: é divertido!
    Se você gosta de adestrar seu cão, esta é mais uma alternativa para acrescentar no seu repertório de habilidades. E vai impressionar muito as pessoas que virem a obediência de seu filhote.

Como treinar os cães usando sinais com as mãos

Adestrar seu cãozinho com gestos manuais é tão fácil quanto com ordens vocais. Veja as etapas que podem ajudar você no treinamento:
  1. Tenha total atenção do seu cachorro. Ele deve ver o sinal, claro, então certifique-se que ele está olhando para você.
  2. Aplique o sinal. Por exemplo, se você está querendo que seu cão sente, use a palma da mão para baixo e faça o movimento apontando ao chão.
  3. Siga os passos para treinar o cachorro de forma consistente. Utilize a mão oposta, a que vai utilizar o sinal, para colocar um petisco sobre sua cabeça.

Resolvendo problemas

Existem alguns erros comuns que as pessoas fazem ao treinar um cão com as mãos. Veja algumas dicas de como evitá-los:

  1. Treinar movimento com a mão deve ser separado do adestramento verbal. Você pode confundir o cachorro se trocar repentinamente de sinais com as mãos para comandos verbais durante a mesma sessão. Atenha-se a um ou outro até que o cão seja capaz de fazer as duas coisas sem hesitar.
  2. Use sempre o sinal com a mão primeiro. Às vezes os cães aprendem comandos verbais antes de sinais com as mãos. Se você percebe que esse é o caso de seu filhote, certifique-se de sempre dar o sinal com a mão primeiro. Depois então dê o comando verbal e pratique várias vezes até seu cãozinho aprender a executar os comandos apenas com o sinal das mãos.
  3. Se você der o comando verbal antes do sinal com a mão, vai ficar difícil para seu cachorro fazer a conexão de um com o outro e dificilmente ele vá fazer o que você quiser.
Deseja mais dicas sobre como adestrar seu cão? Tem mais aqui! Veja esse post com 06 etapas para você adestrá-lo.

Como treinar seu cão utilizando sinais manuais



Como treinar seu cão utilizando sinais manuais






O que é catnip? Por que os gatos adoram?

18:11 0 Comments

Catnip deixa os felinos "loucos", seduzidos, fazem os gatinhos rolar no chão, satisfeitos, felizes. Mas... por que gatos adoram catnip?

Seres humanos utilizam o catnip para fins recreativos, como fumar a erva. Dizem que produz efeitos interessantes. Mas o foco aqui são os gatos: dar catnip aos felinos seria dopá-los?

Por que os gatos adoram?
A satisfação dos gatos é evidente ao entrar em contato com o Catnip :)


O que é a erva catnip?

O nome "Catnip" é dado a erva Nepeta cataria, parente próximo do orégano e hortelã. A Nepeta cataria é uma planta muito comum na América no Norte. Aos americanos do norte, nunca são indicados dar o catnip encontrado em qualquer lugar para os gatinhos. Podem conter pesticidas e produtos químicos que prejudicam a saúde dos gatos.

O princípio ativo da Nepeta cataria é o nepetalactone, o qual acredita-se imitar um ferormônio natural do gato. O nepetalactone se liga aos receptores olfativos dos felinos e produzem resposta única neles.

O que os felinos sentem?

Descrições de proprietários acerca dos efeitos do catnip em seus animais de estimação variam. Vai da excitação à euforia e sedação. Alguns gatos chegam a babar.

Veterinários sugerem que os gemidos dos gatos quando expostos à erva catnip são resultados de alucinações induzidas quimicamente. Se uma pessoa exibe esses sinais, deixariam as outras preocupadas, mas a maioria dos donos de gatos se sente confortável ao permitir que seus gatos se divirtam com essa "droga recreativa".

A marca All for Paws (AFP) importa o Catnip em frascos de 25g. que podem ser comprados na Petite Sofie
A erva catnip é utilizada pelos donos para provocar seus gatos. O catnip pode ser esfregado nos brinquedos dos gatos. Uma vez que a imitação de ferormônio afeta os receptores olfativos dos gatos, ao comer, o felino não apresenta quaisquer resultados. O consumo leva o princípio ativo para o sistema digestivo, fazendo-o se degradar.

Menos da metade dos gatos não possuem reações exageradas ao catnip. É como se a genética jogasse dados para determinar o interesse de um gato na erva. Em quantidades adequadas, até mesmo tigres e outros grandes felinos se sentem atraídos pela erva. Veja o flagrante no video abaixo:


Em meados de 1.400, europeus bebiam regularmente chás de catnip. A erva tinha aplicação medicinal para tratar - veja bem - cólicas e flatulências. Lembra? O princípio ativo Nepeta cataria é parente próximo do hortelã. O chá tem sabor e cheiro semelhante a um chá de menta.

Já em 1.960, fumar catnip foi uma alternativa à marijuana. Quando fumada, a erva produz - em níveis baixos - leves alucinações visuais e auditivas e sensação de relaxamento. O Nepeta cataria usado como chá pode produzir também efeito sedativo suave e de curto prazo nos seres humanos.

Da mesma forma que o catnip não tem propósito além de deixar o gato "doidinho", não há evidências algumas de danos à saúde dos felinos. Se seu gatinho é muito preguiçoso e calminho, o catnip pode dar uma animada nas coisas ;)


Fonte: Gizmodo