Como os cachorros entendem o que dizemos

14:00 0 Comments

Os cientistas - e quem já vive com um cachorro - sabem que eles prestam muita atenção para as emoções e tons de nossas vozes. Eles ouvem, e parece que entendem, quando o tom de nossa voz é amigável, soa irritada e até mesmo a afinação e o ritmo da fala.

Mas e quanto ao significado das palavras que dizemos?

Claro, apenas alguns estudos tem apontado que cães super inteligentes conseguem identificar até centenas de palavras. Chaser, uma Border Collie que aprendeu 1.022 diferentes palavras e comandos. Reconhecidamente como o cão mais inteligente do mundo.

Veja que impressionante:



Por outro lado, "há pouca evidência que cães consigam diferenciar nossa fala por meio dos significados das palavras e suas inflexões contidas no som", diz Attila Andics, neurobiólogo do grupo MTA-ELTE de pesquisa Etológica Comparativa de Budapeste, Hungria.

Sabemos pouco do quanto os cães entendem sobre como dizemos as palavras. Mas já sabemos que os cães podem compreender o que dizemos a eles.

Tudo está prestes a mudar

Victoria Ratcliffe - Sussex UK
Na quarta-feira (28/11/2014), psicólogos informaram na revista especializada inglesa "Current Biology", que os cachorros não prestam a atenção no significado do que dizemos. Eles processam a informação de nossa fala em uma parte diferente no cérebro ao percebido pelas emoções e comunicação. Para descobrir isso tudo, a estudante inglesa de graduação da Universidade de Sussex, Victoria Ratcliffe, desenvolveu um experimento muito esperto.

Ela levou 250 cãezinhos para o laboratório. Lá, para cada animal, ela colocou um speaker de cada lado da cabeça. Em seguida, ela rodou o comando "vem" (to come) ao mesmo tempo em todos os speakers. A princípio, o comando soou normal. As palavras - emitidas pelas duas caixas de som - saíram com seu significado e tom emocional equalizados.

Na sequência, Ratcliffe começou a manipular o discurso do comando. Em algumas vezes, ela removeu todas as inflexões emotivas da voz do locutor. Em outros casos, manteve as inflexões da voz, mas substituiu as palavras por sons sem qualquer sentido.

Para cada comando, a pesquisadora gravou a forma como os cãezinhos viravam suas cabeças: em direção ao alto falante esquerdo ou para o direito. Mesmo com ambos os speakers tocando os mesmos sons, um padrão claro surgiu. Quando os cachorros ouviam comandos que tinham palavras significativas, cerca de 80% viraram-se para a direita. Quando ouviam os comandos com ênfases emocionais, a maioria virava-se para a esquerda.

O resultado parece simples. Mas Andics, que não se envolveu nesse estudo, diz que eles exibem algo surpreendente: cães são capazes de diferenciar os sons de palavras com significado daqueles sons sem qualquer sentido para nós.

O experimento também sugere que o cérebro do cachorro quebra o discurso em duas partes: as pistas emocionais e a dos significados das palavras. Em seguida ele processa os dois componentes em lados opostos do cérebro (emoção no lado direito, palavras com significado no lado esquerdo).

Sim, exatamente de forma oposta às quais os cães viraram a cabeça no teste :)


Como cachorros entendem o que dizemos
Fala que eu te escuto


E curiosamente, isso é um pouco semelhante à forma como nós - humanos - processamos nossa fala. Nós também quebramos o discurso em diferentes partes, como o significado das palavras e a inflexão emocional.

"Mas com os seres humanos a coisa toda é mais complicada", diz Andics. "Acreditamos que o cérebro humano processa diversos aspectos da fala em diferentes estágios e em muitas partes diferentes do cérebro".

Mesmo assim, Andics diz que o novo estudo oferece nova maneira de as pessoas se comunicarem com seus amiguinhos: escolha com cuidado qual orelha do animal usar :)

"Forneça toda carga emocional para o lado esquerdo do seu cãozinho", diz Andics. "Já para comandos que você deseja clareza e precisão do seu pet, direcione a fala para a sua orelha direita".

A famosa Border Collie Chaser ao lado de seu dono.


Parece brincadeira, não é. Mas como o estudo é muito recente, provavelmente muito a ser descoberto ainda virá. Até lá, por que não testar com seu pet?

Compartilhe conosco a SUA experiência!